Ouça essa matéria na integra

Figura chave do episódio que vem pautando os noticiários de política há mais de um mês, a ex-deputada Manuela D’Ávilla (PCdoB-RS) segue longe dos holofotes.

Desde que o hacker Walter Delgatti Neto, preso desde o dia 23 de Julho, disse em depoimento ter sido ela a responsável por colocá-lo em contato com o jornalista Glenn Greenwald, Manuela limitou-se a fazer uma breve declaração em redes sociais para, em seguida, silenciar sobre o assunto.

Na Europa desde Junho – segundo consta, faz um curso na Escócia – , aparentemente impôs-se uma espécie de autoexílio e tem sido blindada por advogados e por seu partido para que não se torne protagonista do caso.

Estranhamente, os grandes órgãos de imprensa, que têm dado grande destaque às mensagens roubadas de integrantes da Lava Jato, divulgadas em conta-gotas e revestidas de evidente caráter político, estão “respeitando” o isolamento de Manuela:

não é inacreditável que nenhum jornalista, de veículos que têm correspondentes na Europa, tenha batido à sua porta?

Não se sabe quando a ex-candidata à vice-presidente retornará de seu retiro escocês; mas, quando acontecer, embora formalmente ainda não seja investigada (e tomando-se como verdade a palavra do hacker, de que ela, após receber uma “amostra” do material, colocou-o em contato com o referido jornalista), Manuela certamente poderá responder a questões cruciais, das quais foi até agora poupada pelos repórteres brasileiros:

por que, ao ser abordada por um confesso criminoso e ao tomar conhecimento de suas atividades, ela não entrou em contato com as autoridades?

Como é possível que a pessoa responsável pela invasão de celulares e roubo de mensagens da comunicação privada de centenas de autoridades não tenha conseguido o “contato” do tal jornalista, precisando para isso da “ajuda” de Manuela?

Por que, enquanto o circo pegava fogo, ela nada disse a respeito de sua participação no caso, só se manifestando depois que o criminoso a citou em seu depoimento?

Manuela quer mesmo que acreditemos que ela não esteve na origem do plano infame para desacreditar a Operação Lava Jato?

Ela não poderá permanecer escondida para sempre.
Vamos aguardar a Manu voltar.
Ansiosos.