Foto: reprodução

Ouça essa matéria na integra

Apoiadores de Bolsonaro criaram uma petição pública para que o jornalista Glenn Greenwald seja deportado. Ele foi responsável pela publicação das matérias com conteúdos de aplicativos de mensagens privadas entre integrantes da força-tarefa da Lava Jato,  obtido através da ação criminosa de um hacker.

Na petição, os criadores alegam que o jornalista cometeu ‘crimes de Lesa e Ofensa à pátria’  com vazamentos de documentos e arquivos, conversas privadas da Operação Lava Jato.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro vê viés político-partidário na divulgação das mensagens tiradas de aplicativo do coordenador da força-tarefa em Curitiba, Deltan Dallagnol. Ele falou em “sensacionalismo” e disse que réus e investigados da Lava Jato teriam interesse no caso. O ministro não reconhece a autenticidade das mensagens e, na primeira entrevista após ter virado alvo dos hackers, desafiou a divulgação completa do material.

Na tarde desta segunda-feira (17), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Morais, defendeu que os responsáveis pelo vazamento das mensagens sejam presos. Para ele, a autenticidade das mensagens precisa ser verificada e elas não afetam “a importância histórica” da operação no combate a corrupção no país.

“No atual momento temos que, primeiro, rapidamente apurar e prender os criminosos que invadiram comunicações de agentes públicos, colocando em risco a própria segurança dessas pessoas. Em um segundo momento, a partir do conjunto das informações, poderemos tirar algumas conclusões”, afirmou o ministro.

Mais cedo, o jornalista Glenn Greenwald se pronunciou sobre a petição pública que exige sua deportação. ‘Eu investi minha vida no futuro do Brasil’.

Confira aqui a petição pública