Foto: Agência Brasil

Nesta terça-feira (10), a Policia Federal mirou o auditor do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba, alegando que o mesmo teria recebido uma vantagem indevida para obstar a fiscalização em organizações sociais, deflagrando a 8° fase da Operação Calvário.

A operação faz apuração de  indícios de lavagem de dinheiro em recursos desviados de organizações sociais da área da saúde, por meio de jogos de apostas autorizados pela Loteria do Estado da Paraíba.

De acordo com a PF, o auditor ainda tentou atrapalhar as investigações da operação. Ele estava contando com a atuação de um jornalista, o qual se valia de seus canais de imprensa para constranger investigados ou potenciais investigados a lhe pagarem vantagem indevida, sob pena de revelar conteúdo sigiloso, ofendendo, por via reflexa, a honra objetiva de autoridades responsáveis pela apuração, referidas indevidamente como fontes do acesso privilegiado.

Siga a Gazeta Brasil no Instagram