Rio de Janeiro - Operação policial após ataques às bases das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) nas comunidades do Cantagalo e Pavão-Pavãozinho, em Copacabana. (Fernando Frazão/Agência Brasil)

O governo do Rio de Janeiro (RJ) pediu nesta quarta-feira (17) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para antecipar a análise de um recurso contra a liminar do ministro Edson Fachin que proibiu a polícia de fazer operações em favelas no estado, informa O Antagonista.

Fachin pautou o recurso para o dia 26 no plenário virtual, mas como o STF entra em recesso em julho, os ministros teriam até agosto para votar. Até lá, permanece válida a liminar impedindo as ações da polícia.

A Procuradoria do Rio de Janeiro diz que, durante todo esse período, moradores ficariam desprotegidos:

“A circunstância apresenta gravidade ainda maior a ante a flexibilização das medidas de isolamento social e retomada das atividades econômicas, com o natural aumento do fluxo de pessoas sem a possibilidade de garantia de policiamento ostensivo”.

O governo do Rio pede que o julgamento seja feito urgentemente, na semana que vem.