A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira (30) o juiz Leonardo Safi de Melo, da 21ª Vara Cível Federal de São Paulo, sob suspeita de participar de esquema de venda de sentenças. A investigação foi autorizada pelo TRF-3 (Tribunal Regional da 3ª Região) e mirou recebimento de propinas ao magistrado e servidores públicos em troca de decisões favoráveis em casos de requisições de pagamento (precatórios).

Uma das ações judiciais investigadas tratava de processo de desapropriação de imóveis rurais. A organização criminosa teria solicitado vantagens indevidas para expedir um precatório no valor de R$ 700 milhões. O grupo cobraria então 1% do valor.

A PF cumpriu 20 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Mairiporã e Brasília (DF). Outras cinco pessoas foram alvo de prisão temporária, autorizadas pelo TRF, que determinou o sequestro de bens dos investigados.

O grupo é investigado por organização criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção passiva e ativa, concussão e peculato.