Sergio Nascimento de Camargo, que foi indicado para a presidência da Fundação Cultural Palmares, se reuniu nesta terça-feira (10), com o presidente Jair Bolsonaro (Aliança Pelo Brasil).

Após o encontro e durante entrevista com jornalistas, Sergio defendeu o fim do dia da consciência negra, que é celebrado no dia 20 de novembro em todo o país.

“É claro que tem que acabar o Dia da Consciência Negra, que é uma data da qual a esquerda se apropriou para propagar vitimismo e ressentimento racial. Isso não é uma data do negro brasileiro”, afirmou Camargo. “Isso é uma data de minorias empoderadas pela esquerda, que propagam o ódio, o ressentimento e a divisão racial.”, disse.

Perguntado sobre as postagens nas redes sociais afirmando que nunca houve racismo no Brasil, Sergio negou a fala.“Eu nunca neguei a existência do racismo no Brasil. Isso é uma deturpação das minhas postagens nas redes sociais. Eu afirmo que há racismo. O racismo, porém, não é estrutural, segundo tese da esquerda. Ele é circunstancial”, disse.

Siga a Gazeta Brasil no Instagram