O presidente Trump disse na sexta-feira (31) que planeja proibir o TikTok, de propriedade chinesa, de operar nos Estados Unidos. A informação foi publicada pelo jornal americano The Washington Post.

“No que diz respeito ao TikTok, vamos proibir nos Estados Unidos”, disse Trump a repórteres no avião presidencial do Air Force One.

Na sexta-feira passada, Trump estava considerando assinar um pedido forçando a ByteDance da China a vender a parte americana do TikTok por questões de segurança nacional, de acordo com pessoas familiarizadas com as negociações, que falaram sob condição de anonimato porque não estavam autorizadas a discuti-las de forma pública. Um deles confirmou que a Microsoft liderava a aquisição do serviço americano da plataforma popular.

Embora se esperasse que o pedido fosse assinado sexta-feira, as pessoas haviam avisado que poderia fracassar, já que o presidente também estava considerando outras abordagens, incluindo a designação do TikTok sob uma ordem executiva que permite ao presidente excluir ameaças à segurança nacional das redes americanas.

No final da sexta-feira, o presidente disse a repórteres que não era a favor de um acordo para permitir que uma empresa dos EUA comprasse as operações da TikTok nos EUA. Trump disse que poderia usar poderes econômicos de emergência ou uma ordem executiva para banir o TikTok.

“Bem, eu tenho essa autoridade. Eu posso fazer isso com uma ordem executiva ou com isso ”, disse ele, referindo-se a poderes econômicos emergenciais.

A ordem que forçaria uma venda, decorrente de uma investigação de segurança nacional, é bastante rara, mas foi usada por Trump recentemente em março, quando o presidente ordenou que uma empresa chinesa vendesse sua participação em uma empresa de software hoteleira dos EUA. No ano passado, o governo Trump o usou para exigir que os proprietários chineses do aplicativo de namoro gay Grindr desistissem do controle da empresa.

Se a Microsoft adquirisse o TikTok, seria um grande rival para o Facebook, o YouTube do Google e outros gigantes da tecnologia da noite para o dia, reformulando drasticamente o cenário de mídia social dos EUA.