O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro foi intimado pela Polícia Federal nesta sexta-feira (18) a depor no inquérito do  Supremo Tribunal Federal (STF) que investiga a organização e o financiamento de atos ‘antidemocráticos.’

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Rodrigo Sánchez Rios advogado de Moro foi quem divulgou a informação. O inquérito que tramita em segredo de Justiça e tem como relator o ministro Alexandre de Moraes.

“A oitiva é motivada em razão de ele ter ocupado, à época dos fatos, a titularidade do Ministério da Justiça e Segurança Pública”, está escrito na nota divulgada pela defesa.

Ainda de acordo com Rios, o depoimento tem previsão para acontecer no dia 2 de outubro, na superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Sergio Moro será ouvido como testemunha.

Moraes vê indícios de associação criminosa em atos antidemocráticos

A pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, o inquérito foi aberto em abril por decisão de Alexandre de Moraes.

 Aras apresentou o pedido após considerar que nos protestos haviam “pautas antidemocráticas e inconstitucionais”.

Outros depoimentos

Além de Moro, também foram intimados a depor no inquérito como testemunhas o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Nesta quinta (17), Carlos Bolsonaro afirmou que não produziu ou repassou o conteúdo que impulsionasse atos.

Ele também destacou que não participa da política de comunicação do governo federal.