Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) retoma nesta terça-feira (9) o pedido de cassação da chapa de Jair Bolsonaro  e Hamilton Mourão (PRTB), eleita com mais de57 milhões de votos nas eleições de 2018. A corte vai julgar duas ações que apuram supostos ataques cibernéticos a um grupo de Facebook e disparos de mensagens em massa pelo WhatsApp.

O ministro relator dessas duas ações, Og Fernandes, votou em novembro contra a cassação da chapa em decorrência dessa alteração do grupo. O ministro Edson Fachin, no entanto, pediu vista (mais tempo para analisar o caso), o que levou ao adiamento do julgamento para esta terça.

As denúncias foram apresentadas pelas coligações de Marina Silva (PV) e Guilherme Boulos (Psol), candidatos à presidência em 2018. Eles argumentam que, durante a campanha, em setembro de 2018, o grupo virtual “Mulheres Unidas contra Bolsonaro”, que reunia mais de 2,7 milhões de pessoas, sofreu ataque virtual que alterou o conteúdo da página. As interferências atingiram o visual e até mesmo o nome do grupo, que passou ser chamado de “Mulheres COM Bolsonaro #17”.

Ambas argumentam que o ataque ao grupo do Facebook constitui abuso eleitoral e pedem a cassação dos mandatos de Bolsonaro e Mourão, além da declaração de inelegibilidade dos dois por oito anos.