O governo do presidente Jair Bolsonaro estuda estender o Auxílio Emergencial, destinado a trabalhadores informais, desempregados e beneficiários do Bolsa Família, até o fim de 2020, segundo apurou a reportagem com integrantes da equipe econômica. A informação é do R7.

Segundo o portal, a ideia é que o benefício seja prorrogado até dezembro, mas o valor das próximas prestações (setembro, outubro, novembro e dezembro) deve ser menor do que os R$ 600. Ainda não foi batido o martelo, mas uma das opções é pagar R$ 200 nesses meses.

O governo já destinou R$ 254,4 bilhões para o pagamento do benefício, num total de cinco parcelas (de abril a agosto). A despesa mensal do auxílio está em R$ 51,5 bilhões, e todos os gastos do governo para combater a pandemia e seus efeitos estão sendo bancados com o aumento do endividamento do país.

De acordo com o R7, para o governo, o “grande nó” é a substituição do Auxílio Emergencial por um novo programa social, o Renda Brasil, em substituição ao Bolsa Família. Há dúvidas se o governo conseguirá tirar o programa do papel até o fim deste ano.

A equipe de Guedes quer atrelar esse debate a uma revisão de gastos sociais considerados ineficientes. Na mira dos técnicos estão gastos como abono salarial, seguro-defeso (pago a pescadores artesanais no período de reprodução dos peixes, quando a pesca é proibida) e farmácia popular.

Pesquisas apontam que foi Bolsonaro quem mais ganhou com o pagamento do Auxílio dado aos trabalhadores informais que perderam renda por causa da pandemia da covid-19. 

O Auxílio Emergencial foi criado em abril, por meio de uma lei aprovada pelo Congresso e sancionada por Bolsonaro. A previsão inicial era que o auxílio fosse pago por três meses, mas a lei deu a possibilidade de prorrogação do benefício.