A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou nesta terça-feira, 11, que o país registrou sua primeira infecção comunitária de coronavírus transmitida localmente em 102 dias. Foram detectados quatro casos na mesma família, em Auckland, incluindo um menor de idade. Como consequência, o governo ordenou o confinamento da cidade, a maior do país.

“Depois de 102 dias, temos nossos primeiros casos de Covid-19 fora das instalações de isolamento ou quarentena. Embora todos nós tenhamos trabalhado muito para evitar esse cenário, também planejamos e nos preparamos para isso”, disse Ardern. A premiê explicou que a fonte de transmissão da Covid-19 é desconhecida, uma vez que os novos pacientes não têm histórico de viagens e nem tiveram contato direto com qualquer outro doente.

“Pedimos ao povo de Auckland que fique em casa para impedir a propagação”, disse Ardern, que colocou a cidade em quarentena, o que significa que não pode haver reuniões de mais de dez pessoas, o fechamento de escolas e a obrigatoriedade do uso de máscaras em locais onde a distância social não pode ser mantida.

No final de março, o governo da Nova Zelândia impôs uma das quarentenas mais rígidas do mundo devido à pandemia da Covid-19. O país contabilizou 22 mortes em uma população de 5 milhões de habitantes e não registrava transmissões locais desde 1 de maio. No domingo 9, o governo comemorou 100 dias sem transmissão doméstica.

Como resultado, o país tem uma vida praticamente normal, sem medidas de distanciamento físico e com a organização de eventos culturais e esportivos com a presença de público. As autoridades de saúde, no entanto, advertiram de modo reiterado que uma segunda onda de infecções era “inevitável”.

A população de Auckland permanecerá confinada por pelo menos três dias a partir de quarta-feira e algumas medidas de distanciamento físico serão retomadas no restante do país.

*Com informações de EFE e AFP