quarta-feira, 3 de março de 2021

Comissão Técnica Nacional em Biossegurança aprova vacina de Oxford

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 1

A Comissão Técnica Nacional em Biossegurança (CTNBio) do Ministério da Ciência e Tecnologia aprovou nesta sexta-feira (15) a vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Oxford/AstraZeneca em parceria com a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

É o 1º imunizante contra a doença a ser liberado para uso pela CTNBio. Apesar dessa aprovação, o uso emergencial da vacina ainda precisa ser liberado pela Anvisa, que será definido no domingo (17).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 2

A autorização do CTNBio se faz necessária no processo de avaliação de vacinas ou medicamentos desenvolvidos a partir de um organismo geneticamente modificado.

O anúncio foi feito pelo ministro Marcos Pontes junto ao presidente da comissão, Paulo Augusto Vianna Barroso, durante coletiva de imprensa em Brasília.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 3

“Os 54 integrantes da comissão se reuniram hoje e aprovaram por unanimidade essa vacina como sendo uma vacina segura”, afirmou Vianna.

Ele explicou que o trabalho da comissão é focado na análise dos elementos transgênicos contidos na vacina, sendo apenas uma análise complementar à da Anvisa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 4

“Nosso papel não é conflitante com o papel da Anvisa, porque não avaliamos do ponto de vista farmacológico, não avaliamos os efeitos colaterais da vacina. Nos atemos a avaliar o princípio ativo da vacina”, disse.

No caso da vacina de Oxford, é utilizada uma tecnologia conhecida como vetor viral recombinante. O imunizante é produzido a partir de uma versão enfraquecida de um adenovírus que causa resfriado em chimpanzés – e que não causa doença em humanos.

A esse adenovírus é adicionado o material genético da proteína “spike” do novo coronavírus –usado pelo vírus para invadir as células humanas–, induzindo os anticorpos. Por isso o material é geneticamente modificado.

A vacina da AstraZeneca/Oxford é a principal aposta do governo brasileiro, que já comprou 100 milhões de doses por R$ 1,9 bilhão. Os recursos foram liberados por meio de uma medida provisória assinada pelo presidente Jair Bolsonaro, que foi aprovada no começo do mês pelo Senado. No Brasil, a substância será produzida pela Fiocruz.

O imunizante tem eficácia global superior a 90% e a dose custa US$ 3,16. É mais barato, por exemplo, que as vacinas da Pfizer/BionTech (US$ 19,50) e da Sinovaci/Butantan (US$ 10,30).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 5
Gazeta Brasil
Gazeta Brasilhttps://www.gazetabrasil.com.br
A Gazeta Brasil é um jornal brasileiro diário editado na cidade de São Paulo. Publica textos, fotos, vídeos no formato digital. Faz parte do grupo AZComm Comunicação e Eventos.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Últimos artigos