A Polícia Federal (PF) deflagrou também nesta quinta-feira (06), a Operação Nudus, para cumprimento de seis mandados de busca e apreensão em investigação sobre fraudes em duas contratações emergenciais feitas pela gestão do prefeito tucano de São Paulo, Bruno Covas, para a compra de aventais descartáveis durante a pandemia da covid-19.

As duas contratações, sem licitação, somam mais de R$ 11,1 milhões dos recursos públicos encaminhados pelo governo federal para combate do novo coronavírus na capital paulista.

As suspeitas de superfaturamento nos contratos foram identificadas com o apoio do Tribunal de Contas da União.

“O objetivo [da operação que apura ações da prefeitura paulistana] é instruir inquérito policial que apura fraudes identificadas com o apoio do Tribunal de Contas da União – TCU em duas contratações emergenciais de aventais descartáveis realizadas pela Autarquia Hospitalar Municipal da Prefeitura do Município de São Paulo. Um dos mandados é para a sede da autarquia com o objetivo de confirmar se houve a participação de funcionários públicos”, informou a PF em nota.

“Até o momento, apurou-se que, durante o processo para a contratação, algumas empresas foram desclassificadas sob argumentos que depois foram ignorados na assinatura do contrato com as empresas investigadas. Há indicativos que o valor da contratação também foi superior ao praticado no mercado na mesma época”, diz a PF.

A PF afirmou ainda que foi identificada “estreita ligação entre as empresas que participaram do processo, sendo que elas não tinham qualquer experiência ou capacidade técnica e operacional para a confecção de aventais médico-hospitalares, assim como uma das empresas contratadas.”