Em uma fiscalização da Controladoria Geral da União e do Tribunal de Contas do Paraná foi revelado que o auxílio-emergencial distribuído pelo governo- que serve para ajudar os trabalhadores informais a não sofrerem os impactos da crise econômica em razão da covid-19- estava sendo dado para cerca de 10.648 servidores municipais do estado.

Os suspeitos poderão ser acusados por falsidade ideológica ou estelionato se pediram, ou receberam o auxílio -proibido para quem tem empregou ou pertence a cargo público-

Os órgãos responsáveis emitiram um alerta em 388 municípios, onde trabalham os servidores, para que possam devolver o auxílio e esclarecer se não foram vítimas de fraude, com uso irregular de seus CPFs.

O pagamento foi identificado através dos CPFs cadastrados no programa, em cruzamento com dados dos servidores. O prejuízo foi de R$ 7,3 milhões por parcela paga.