O presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta ao presidente da Angola, João Manuel Lourenço, pedindo que ele proteja pastores da Igreja Universal do Reino de Deus do país africano. A carta foi divulgada hoje (13) por Eduardo Bolsonaro, filho do chefe do Executivo.

Na sexta-feira (10), o Serviço de Investigação Criminal da Polícia Nacional de Angola (SIC) fez ações de busca e apreensão contra pastores da igreja por suspeita de evasão de divisas e de lavagem de dinheiro. Templos religiosos também foram alvo dos mandados judiciais do SIC, espécie de Polícia Federal de Angola.

Segundo a revista, no documento, Bolsonaro atribui a ex-integrantes da igreja a responsabilidade por denúncias que acabaram gerando operações policiais contra integrantes da Universal.

Confira a carta do presidente Jair Bolsonaro:

“Os aludidos atos de violência são atribuídos a ex-membros da Igreja Universal do Reino de Deus, que também têm levantado acusações e, com isso, motivado diligência policiais na sede da entidade e nos domicílios de seus dirigentes. Julgamos ser preciso evitar que fatos dessa ordem voltem a produzir-se ou sejam caracterizados como consequências de ‘disputas internas’. Há perto de 500 pastores da Igreja Universal do Reino de Deus em Angola e, desse universo, 65 são brasileiros”.

Siga a Gazeta Brasil no Instagram