O atual grupo de integrantes da Lava Jato em São Paulo irá encerrar suas atividades nesta terça-feira (29). Uma nova equipe de procuradores irá assumir os trabalhos que estão em andamento.

Impact widget

A procuradora titular do 5º ofício responsável pela Lava Jato em SP, Viviane Martinez, irá se dedicar integralmente às investigações, após ter suas desoneração aprovada pela PGR de Aras e deverá conduzir o novo grupo de procuradores responsáveis.

“Foi pedida a desoneração também de um procurador de outro estado e, em consulta nacional, outros procuradores manifestaram interesse em ajudar sem desoneração. Em conjunto, eles farão uma avaliação do atual acervo de investigações, que podem ser redistribuídas”, informou o Ministério Público Federal em São Paulo (MPF-SP) por meio de nota.

Os oito procuradores que compunham a força-tarefa da Lava Jato em São Paulo até então pediram seu desligamento no último dia 02, sendo que apenas quatro continuaram até hoje (29). Diversas motivações foram colocadas no ofício encaminhado aos integrantes do Conselho Superior do MPF, todos em referência a atuação da procuradora Viviane Martinez. 

Entre as alegações está a sua ausência nas reuniões entre os membros, juízes, delegados, advogados ou colaboradores para tratar dos casos investigados, ou seja, seu pouco envolvimento com os integrantes do grupo, bem como sua omissão.

“Desde o início, a Procuradora da República Viviane não teve iniciativa no sentido de chamar reuniões para compreender quais as linhas de investigação que vinham sendo conduzidas”, informa o ofício. “Esta sinalização de falta de envolvimento com o dia a dia de trabalho da Força-Tarefa não decorreu de uma simples postura mais reservada de atuação da nova titular do 5º ofício. Pelo contrário, desde o começo o envolvimento da Procuradora Viviane com os casos da afetos Força-Tarefa pareceu muito aquém do que se esperaria de um procurador natural.” 

Entre os casos investigados pela Força Tarefa paulista que deverão permanecer sob atuação dos novos membros estão corrupção de grandes obras do estado, como linhas do Metrô e nos trechos Sul e Norte do Rodoanel, e  esquemas milionários de lavagem de dinheiro no Brasil e no exterior.