terça-feira, 20 de abril de 2021

Em meio à pandemia, oxigênio medicinal fica escasso na África e América Latina

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 1

AP -Uma crise no fornecimento de oxigênio medicinal para pacientes com coronavírus atingiu nações da África e da América Latina, onde os alertas foram ignorados no início da pandemia e os médicos afirmam que a falta levou a mortes desnecessárias.

Demora cerca de 12 semanas para instalar uma planta de oxigênio hospitalar e ainda menos tempo para converter os sistemas de fabricação de oxigênio industrial em uma rede de nível médico. Mas no Brasil e na Nigéria, assim como em países menos populosos, as decisões para lidar totalmente com suprimentos inadequados começaram a ser tomadas no mês passado, depois que os hospitais ficaram sobrecarregados e os pacientes começaram a morrer.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 2

A falta na disponibilidade de oxigênio médico “é uma das questões definidoras de equidade em saúde, eu acho, de nossa época”, disse Peter Piot, diretor da London School of Hygiene & Tropical Medicine, que disse que sobreviveu a uma grave infecção por coronavírus graças ao oxigênio que ele recebeu.

Os médicos na Nigéria monitoram ansiosamente o tráfego enquanto as entregas de oxigênio se movem pelas ruas congestionadas de Lagos. Famílias desesperadas de pacientes em todo o mundo às vezes recorrem ao mercado negro. Os governos só agem depois que os hospitais ficam sobrecarregados e os infectados morrem às dezenas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 3

No estado do Amazonas, no Brasil, duas pessoas foram pegas revendendo extintores pintados para parecerem tanques de oxigênio medicinal. No Peru, as pessoas acamparam em filas em busca de cilindros para parentes doentes.

Somente depois que a falta de oxigênio foi responsabilizada pela morte de quatro pessoas em um hospital egípcio em janeiro e seis pessoas em um hospital no Paquistão em dezembro é que os governos resolveram os problemas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 4

John Nkengasong, diretor dos Centros Africanos para Controle e Prevenção de Doenças, disse que o oxigênio medicinal é uma “grande necessidade crítica” em todo o continente de 1,3 bilhão de pessoas e é a principal razão pela qual os pacientes com COVID-19 têm maior probabilidade de morrer durante os surtos.

Mesmo antes da pandemia, os 2.600 concentradores de oxigênio da África Subsaariana e 69 plantas de oxigênio em funcionamento atendiam a menos da metade da necessidade, levando a mortes evitáveis, especialmente por pneumonia, disse o Dr. John Adabie Appiah da Organização Mundial de Saúde.

O número de concentradores cresceu para cerca de 6.000, principalmente de doações internacionais, mas o oxigênio produzido não é puro o suficiente para os criticamente enfermos. O número de plantas que podem gerar concentrações mais altas está agora em 119.

Mesmo assim, sem pedidos formais dos governos, quase US $ 20 bilhões em fundos do Banco Mundial para o coronavírus para os países mais pobres do mundo permanecem não gastos até agora, disse a organização à Associated Press.

A Nigéria estava “lutando para encontrar oxigênio para administrar os casos” em janeiro, disse Chikwe Ihekweazu, chefe de seu Centro de Controle de Doenças.

Um hospital principal em Lagos, uma cidade de 14,3 milhões de habitantes, viu seus casos de vírus em janeiro aumentarem cinco vezes, com 75 profissionais médicos infectados nas primeiras seis semanas de 2021. Só então o presidente Muhammadu Buhari liberou US $ 17 milhões para instalar mais 38 usinas de oxigênio e outros US $ 670.000 para consertar fábricas em cinco hospitais.

Alguns fornecedores de oxigênio aumentaram drasticamente os preços, de acordo com um médico do Hospital Universitário de Lagos que falou sob condição de anonimato porque não tinha permissão para falar com repórteres. Isso aumentou o custo de um cilindro em 10 vezes, para US $ 260 – mais do que o salário médio mensal – e um paciente em estado crítico pode precisar de até quatro cilindros por dia.

Dinheiro e influência nem sempre ajudam.

Femi Odekunle, acadêmica nigeriana e aliada próxima do presidente, ficou sem oxigênio adequado por quase 12 dias no Hospital Universitário de Abuja até que dois governadores estaduais e funcionários do Ministério da Saúde intervieram. Ele morreu mesmo assim, e parentes e amigos culpam a falta de oxigênio, informou o jornal Premium Times. O hospital atribuiu sua morte à infecção grave.

No Malawi, o presidente prometeu financiamento para equipamentos de proteção para trabalhadores médicos e a compra imediata de 1.000 cilindros de oxigênio.

A corrupção foi responsabilizada por defeitos em uma nova planta de oxigênio em um hospital na capital de Uganda, Kampala, informou o jornal Daily Monitor. Os trabalhadores tiveram que confiar em cilindros de oxigênio enferrujados, responsáveis ​​pela morte de pelo menos dois pacientes.

“Enquanto os principais funcionários da saúde se deleitavam com o oxigênio da boa publicidade, os pacientes estavam literalmente sufocando até a morte”, disse o jornal.

Leith Greenslade, da Every Breath Counts Coalition, que defende um acesso mais amplo ao oxigênio medicinal, disse que a escassez se tornou aparente na primavera passada.

“Muito pouco foi feito. Agora você tem uma segunda onda, não apenas na África, mas na América Latina e na Ásia, e a falta de oxigênio está chegando a níveis de crise ”, disse ela.

O Banco Mundial reservou US $ 50 bilhões apenas para os países mais pobres do mundo durante a pandemia, e US $ 30,8 bilhões foram alocados, incluindo US $ 80 milhões para atualizações relacionadas ao oxigênio.

“Disponibilizamos dinheiro para os países, mas são os países, os governos que precisam tomar uma decisão sobre quanto gastam e com que gastam”, disse o Dr. Mickey Chopra, que ajuda na resposta de logística médica global do Banco Mundial.

Uma força-tarefa global com foco no oxigênio foi formalmente anunciada na quinta-feira e incluirá a Organização Mundial da Saúde e o Banco Mundial, entre outros. Já foram identificados $ 90 milhões em necessidades imediatas de financiamento de oxigênio para 20 países em desenvolvimento, incluindo Nigéria e Malaui.

Muitos países vêem o suprimento de oxigênio principalmente como um produto industrial para setores mais lucrativos, como mineração, não de saúde, e não tem sido o foco de muitos doadores internacionais. As fábricas de oxigênio requerem técnicos, boa infraestrutura e eletricidade – tudo em falta nas nações em desenvolvimento.

O principal fornecedor de oxigênio medicinal para o estado do Amazonas no Brasil, White Martins, operava com metade da capacidade antes da pandemia. As primeiras infecções atingiram a cidade isolada em março e causaram tantas mortes que um cemitério foi escavado na selva.

Os médicos em sua capital, Manaus, foram forçados no mês passado a escolher quais pacientes tratar, visto que o suprimento de oxigênio diminuiu.

O Supremo Tribunal Federal do Brasil iniciou uma investigação sobre a gestão da crise depois que White Martins disse que um “aumento inesperado na demanda” levou à escassez.

“Faltou planejamento por parte do governo”, disse Newton de Oliveira, presidente da Indústria Brasileira de Gases, importante fornecedora de oxigênio.

Somente depois que as mortes atingiram uma média de 50 por dia, o governo anunciou que construiria 73 usinas de oxigênio no estado. Em um mês, 26 estavam funcionando.

A escassez de oxigênio continua crítica no Peru, onde Dani Luz Llamocca esperou cinco dias do lado de fora de um centro de distribuição em Lima, dizendo que seu pai infectado pelo vírus estava com menos de meio tanque de oxigênio. Ela estava disposta a esperar o tempo que fosse necessário. “Se não, meu pai morrerá”, disse Llamocca.

Ao todo, especialistas em saúde estimam que 500.000 pacientes em países em desenvolvimento precisam atualmente de 1,1 milhão de cilindros de oxigênio por dia.

Appiah, da OMS, disse que os países com indústrias de mineração podem converter seus sistemas para produzir oxigênio de grau médico. O órgão nacional de comércio da Índia para fabricantes de gás sugeriu que em abril passado os tanques de armazenamento industrial fossem reaproveitados em hospitais, disse Surendra Singh, gerente da multinacional Linde.

“Não é ciência de foguetes”, disse Saket Tiku, presidente da All India Industrial Gases Manufacturers Association. “A decisão salvou milhares de vidas.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 5
Gazeta Brasil
Gazeta Brasilhttps://www.gazetabrasil.com.br
A Gazeta Brasil é um jornal brasileiro diário editado na cidade de São Paulo. Publica textos, fotos, vídeos no formato digital. Faz parte do grupo AZComm Comunicação e Eventos.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Últimos artigos