domingo, 9 de maio de 2021

Número de mortos em Mianmar ultrapassa 500

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 1

Reuters – As forças de segurança de Mianmar mataram pelo menos 510 civis em quase dois meses de esforços para impedir os protestos contra o golpe de 1º de fevereiro, disse um grupo de defesa na segunda-feira, quando milhares de pessoas voltaram às ruas apesar do crescente número de vítimas.

Outros 14 civis foram mortos na segunda-feira, informou a Associação de Assistência a Presos Políticos (AAPP), que também atualizou os números dos dias anteriores. O total de mortos no sábado, o dia mais sangrento até agora, subiu para 141, os números mostraram.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 2

A Casa Branca condenou os assassinatos de civis como um uso “abominável” da força letal e renovou o apelo pela restauração da democracia, enquanto o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, instou os generais de Mianmar a pararem com os assassinatos e repressão às manifestações.

Os mortos na segunda-feira incluem pelo menos oito no subúrbio de South Dagon, na principal cidade de Mianmar, Yangon, disse a AAPP.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 3

As forças de segurança dispararam uma arma de calibre muito mais pesado do que o normal para limpar uma barricada de sacos de areia, disseram testemunhas e um videoclipe mostrou. Não ficou claro de que tipo, embora um grupo comunitário tenha postado a foto de um soldado com um lançador de granadas.

A TV estatal disse que as forças de segurança usaram “armas de choque” para dispersar uma multidão de “terroristas violentos” que estavam destruindo uma calçada e um homem ficou ferido.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 4

A polícia e um porta-voz da junta militar não responderam às ligações pedindo comentários.

Duas pessoas também foram mortas em tiros na cidade central de Myingyan, disse o líder estudantil Moe Myint Hein à Reuters.

Apesar da violência, multidões compareceram às cidades de todo o país, de acordo com publicações na mídia e nas redes sociais.

Um dos principais grupos por trás dos protestos, o Comitê de Greve Geral das Nacionalidades, convocou uma carta aberta no Facebook para que as forças de minorias étnicas ajudem aqueles que enfrentam a “opressão injusta” dos militares.

“É necessário que as organizações armadas étnicas protejam coletivamente as pessoas”, disse o grupo.

‘ATO SEM CORAÇÃO’

Insurgentes de diferentes grupos étnicos lutam contra o governo central há décadas por maior autonomia. Embora muitos grupos tenham concordado em cessar-fogo, os combates aumentaram nos últimos dias entre o exército e as forças no leste e no norte.

Pesados ​​confrontos eclodiram no fim de semana perto da fronteira com a Tailândia entre o exército e combatentes da mais antiga força de minoria étnica de Mianmar, a União Nacional Karen (KNU).

Cerca de 3.000 aldeões fugiram para a Tailândia quando jatos militares bombardearam uma área KNU depois que uma força KNU invadiu um posto avançado do exército e matou 10 pessoas, disseram um grupo ativista e a mídia.

Autoridades tailandesas negaram relatos de grupos ativistas de que mais de 2.000 refugiados foram forçados a voltar, mas uma autoridade local disse que era política do governo o exército bloqueá-los na fronteira e negar acesso a grupos de ajuda externos.

“O ato cruel e ilegal da Tailândia deve parar agora”, escreveu Sunai Phasuk, pesquisador sênior da Tailândia para a Human Rights Watch, no Twitter.

Mais cedo, o primeiro-ministro tailandês Prayuth Chan-ocha disse que queria que os problemas mais recentes de Mianmar permanecessem lá, enquanto rejeitava as acusações que a Tailândia apoiava a junta.

“Não queremos um êxodo, uma evacuação para o nosso território, mas vamos respeitar os direitos humanos”, disse Prayuth a repórteres em Bangkok.

No norte de Mianmar, os combates eclodiram no domingo na área de mineração de jade de Hpakant, quando combatentes do Exército da Independência de Kachin (KIA) atacaram uma delegacia de polícia, informou a mídia de Kachinwaves.

Tanto o KNU quanto o KIA expressaram apoio ao movimento anti-golpe e pediram ao exército que pare com a violência contra os manifestantes civis.

Os militares de Mianmar justificam há décadas seu controle do poder dizendo que é a única instituição capaz de preservar a unidade nacional. Ele tomou o poder dizendo que as eleições de novembro vencidas pelo partido da laureada com o Nobel Aung San Suu Kyi foram fraudulentas, uma afirmação rejeitada pela comissão eleitoral.

Suu Kyi continua detida em local não revelado e muitas outras figuras de seu partido também estão sob custódia.

Quando questionado sobre sua mensagem aos generais de Mianmar, Guterres disse aos repórteres: “Parem as matanças, parem a repressão das manifestações, libertem os presos políticos e devolvam o poder àqueles que têm o direito legítimo de exercê-lo”.

O Relator Especial da ONU para Mianmar, Tom Andrews, disse que o exército estava cometendo “assassinatos em massa”. A Representante de Comércio dos EUA, Katherine Tai, disse que os Estados Unidos suspenderam todos os compromissos comerciais com Mianmar até o retorno de um governo eleito democraticamente.

Mas as críticas estrangeiras e as sanções ocidentais não conseguiram influenciar os generais.

China e Índia se recusaram a condenar o golpe e a Rússia manteve seus laços estreitos com a visita do vice-ministro da Defesa, Alexander Fomin, e com a promessa de fortalecer os laços militares. O Kremlin disse que os longos e construtivos laços da Rússia com Mianmar não significam sua aprovação de “eventos trágicos” lá.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 5
Gazeta Brasil
Gazeta Brasilhttps://www.gazetabrasil.com.br
A Gazeta Brasil é um jornal brasileiro diário editado na cidade de São Paulo. Publica textos, fotos, vídeos no formato digital. Faz parte do grupo AZComm Comunicação e Eventos.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Últimos artigos