Fox News – O ditador venezuelano Nicolás Maduro atacou os Estados Unidos durante seu discurso na Assembleia Geral da ONU na quarta-feira (24), o comunista acusou Washington de “agressão criminosa e desumana” contra seu regime em um longo e torturoso discurso pré-gravado de Caracas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O mundo deve saber que estamos preparados para lutar com a força de nossa história, nosso espírito, razão e direito internacional”, garantiu Maduro sobre as tentativas dos EUA de pressioná-lo a renunciar e o bando de sanções subsequentes impostas, que ele chamou de “bloqueio ilegal”.

Maduro também desprezou os Estados Unidos – que junto com mais de 50 outros países, não o reconhecem como o legítimo líder venezuelano e, em vez disso, reconhece o líder da oposição Juan Guiado como presidente interino – como “a mais séria ameaça à paz neste mundo”.

Apesar da presença de Maduro, Guaido também levou sua mensagem à comunidade internacional, divulgando uma resposta pré-gravada do retorno de Maduro ao cenário global, desafiando os países membros da ONU a “fazerem o que é certo, parar  as violações dos direitos humanos  que neste instante continuam, colaborar para colocar um fim ao terror que a flagrante ditadura (Maduro) pretende impor. “

O próprio Maduro ignorou o relatório encomendado pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU divulgado no início deste mês, detalhando os abusos extensos e sistemáticos dos direitos humanos orquestrados pelo círculo interno de sua gestão, que equivalem a crimes contra a humanidade.

De acordo com o documento, o governo comunista de Maduro em conjunto com as forças de segurança se envolveram em uma variedade de táticas de tortura brutais que vão desde choques elétricos, mutilação genital e asfixia para matar e mutilar dissidentes.

Um painel de três membros nomeados pelo Conselho afirmou no documento de 411 páginas que “tinha motivos razoáveis ​​para acreditar” que Maduro, o ministro do Interior, o ministro da Defesa e os diretores dos serviços de segurança e inteligência da Venezuela “ordenaram ou contribuíram para “a detenção arbitrária, desaparecimentos forçados e tortura de críticos e execuções extrajudiciais.