reprodução

Ouça essa matéria na integra

A assessora de programas de aprendizagem inovadoras da OCDE, Valerie Hannon, acredita que os exames PISA, divulgados nesta terça-feira (03), que medem o nível de competência dos alunos de 15 anos em ciências, matemática e compreensão leitora do mundo todo, são “limitados”, por não medirem as aptidões necessárias para os alunos deste século.

Hannon, que deu entrevista ao El País e também é assessora do Governo do Reino Unido sobre novos modelos de aprendizagem, acredita que este tipo de teste (realizado a cada três anos) deixa os governos nacionais obcecados, que, por sua vez, forçam as escolas a dedicarem muito tempo para melhorar essas três habilidades, descuidando de outras mais relacionadas com a criatividade e o aprendizado autônomo.

“A OCDE já reconheceu há algum tempo que essa competição não é saudável. Essa fórmula, em vez de conseguir que os sistemas internacionais eficazes se transformem em referência, leva governos de países diferentes, com sistemas muito diversos, a centrarem sua atenção em três áreas: ciências, matemática e compreensão leitora. Quando veem que seus resultados pioram, entram em choque e pressionam a escolas a trabalharem mais nessas matérias. O objetivo da educação não deve ser formar mais crianças que no futuro tenham um diploma universitário ou um certificado determinado, e sim desenhar que tipo de cidadãos queremos”, afirmou a assessora.