Foto: The New Republic

Um estudo da Universidade de Pádua, na Itália, mostrou que a quarentena imposta em decorrência da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) teve um grande impacto no sono e no humor dos italianos.

Segundo a pesquisa, o confinamento teve um grande impacto psicológico, econômico e social, reduzindo a qualidade de vida das pessoas e colocando em risco a saúde psicofísica de muitos indivíduos.

Os pesquisadores da universidade italiana analisaram a qualidade do sono de pouco mais de 1,3 mil pessoas entre 18 e 35 anos, comparando a semana de 17 a 23 de março com a primeira semana de fevereiro, entre os dias 1 e 7.   

O estudo, que foi publicado no “Journal of Sleep Research”, apontou que a atividade física reduzida, a baixa exposição à luz solar, a ausência de atividades sociais, o medo de contágio e a situação econômica levaram a uma deterioração na qualidade do sono. Além disso, as pessoas passaram a usar mais as mídias digitais. Os indivíduos também passaram a ter uma percepção distorcida da passagem do tempo.   

“O estudo destacou dados alarmantes sobre saúde mental: 24,2% das pessoas que pesquisamos apresentaram sintomas de depressão moderadas a extremamente graves, 32,6% de ansiedade e um em cada dois teve sintomas de estresse. Também mostramos uma grande mudança no ritmo sono-vigília”, disse Nicola Cellini, do departamento de psicologia da Universidade de Pádua.

*Com informações de ANSA

Siga a Gazeta Brasil no Instagram