Como mais de um milhão de norte-americanos já estão depositando votos antecipadamente e o tempo para mudar opiniões ou influenciar a pequena parcela de eleitores indecisos está se esgotando, as apostas serão enormes quando os dois candidatos à Casa Branca subirem ao palco a cinco semanas da eleição de 3 de novembro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O incendiário Trump e o mais contido Biden debaterão uma série de desafios políticos urgentes, como uma pandemia de coronavírus que já matou mais de 200 mil pessoas nos EUA e deixou milhões sem emprego, uma batalha iminente sobre a indicação da juíza Amy Coney Barrett à Suprema Corte e os protestos contínuos por justiça racial em todo o país.

O confronto pode ser crucial para Biden, dando-lhe a chance de provar que tem mão firme e é capaz de entrar no Salão Oval e acabar com o tumulto do primeiro mandato de Trump, dizem estrategistas.

Atualmente, cerca de 9% dos eleitores prováveis não apoiam o candidato de nenhum dos grandes partidos, menos da metade do número daqueles que não estavam comprometidos com um dos principais concorrentes em setembro de 2016, de acordo com uma pesquisa Reuters/Ipsos.

“Os eleitores já se decidiram a respeito de Donald Trump. Eles ainda não sabem bem o que pensar de Joe Biden”, disse o estrategista republicano Alex Conant, que foi assessor do senador Marco Rubio durante sua campanha nas primárias presidenciais de 2016 contra Trump.

“Se Biden chegar e demonstrar que não assusta os independentes e é capaz de fazer o trabalho, irá se ajudar significativamente”, opinou.

Assessores da Casa Branca dizem que Trump, de 74 anos, atacará agressivamente o histórico de Biden em questões de comércio, energia e impostos e que estará preparado para se defender quanto ao seus próprios impostos.

Biden, de 77 anos, detalhará quais de suas próprias promessas Trump descumpriu, disse uma fonte a par de sua estratégia.

O confronto de 90 minutos, com uma plateia limitada e sujeita a distanciamento social por causa da pandemia, começara às 21h locais (22h em Brasília) na Universidade Case Western Reserve de Cleveland.

*Com informações de Reuters