CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Salles Braga Netto Ramos

Em entrevista ao O Globo, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que a decisão para o bloqueio de R$ 60,6 milhões para o Ministério, que iria paralisar na segunda-feira (31) todas as ações de combate ao desmatamento ilegal na Amazônia e no Pantanal, veio de Braga Netto, da Casa Civil, e Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo para o Pró-Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mais cedo, Mourão disse que Salles havia se “precipitado” em divulgar que as operações seriam paralisadas por falta de verba na segunda. O ministro Ricardo Salles, porém, disse em entrevista ao GLOBO que isso não é verdade.

“Não é verdade. Já estava bloqueado e eles desbloquearam agora. Mas não vou ficar discutindo com o vice-presidente, que respeito muito. Eles desbloquearam depois da nota (do ministério)”, afirmou Salles.

Questionado sobre se havia tentado o diálogo com o governo sobre o bloqueio antes da publicação, Salles disse que o Ministério da Economia afirmou que a ordem era de Braga Netto e Ramos para retirar dinheiro da fiscalização da Amazônia para subsidiar a criação do Pró-Brasil.

“Conversei ontem com o Braga Netto, conversei com Economia e Economia falou que era decisão da Casa Civil e da Segov (Secretaria de Governo). É o que está na nota. Então, é isso. Queriam para o Pró-Brasil, mas não pode tirar do desmatamento. Ia parar tudo na segunda-feira”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE