sexta-feira, 14 de maio de 2021

Lewandowski e Marco Aurélio criticam Fachin por submeter anulação das condenações de Lula ao plenário do STF

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 1

Na tarde desta quarta-feira (14), o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) começou a analisar a decisão de Edson Fachin de anular condenações do ex-presidente Lula (PT) no âmbito da Operação Lava Jato e a suspeição do ex-juiz Sergio Moro.

O presidente do STF, Luiz Fux, anunciou que a Corte se limitaria, hoje, a discutir se a decisão de Fachin deveria ser julgada pelo plenário ou deveria ser analisada por uma das Turmas do tribunal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 2

A discussão do mérito do caso ficará para a sessão de quinta-feira (15).

O início da sessão do STF foi tumultuado e marcado por críticas de ministros como Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello à decisão de Fachin de remeter o caso ao plenário.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 3

Fachin declarou a incompetência da Justiça Federal do Paraná nos casos do tríplex do Guarujá, do sítio de Atibaia e das doações ao Instituto Lula. Segundo o ministro, a 13ª Vara Federal de Curitiba não era o “juízo natural” dos casos. Os processos foram encaminhados à Justiça Federal do Distrito Federal.

Na esteira das anulações das condenações de Lula, a Segunda Turma do STF retomou o julgamento da suspeição do ex-juiz Sergio Moro nos processos relativos a Lula, analisando um habeas corpus apresentado pela defesa do petista. Por 3 votos a 2, Moro foi considerado suspeito de jugar Lula.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 4

“A afetação do julgamento de processos ao plenário do STF é atribuição discricionária do relator”, afirmou Fachin, justificando a remessa do caso para julgamento pelo plenário. “Mantida a afetação, caberá o exame quanto à competência e aos efeitos da decisão monocrática proferida.”

Na sequência, Fux antecipou seu voto e afirmou que acompanha o relator quanto à análise da decisão de Fachin pelo plenário da Corte.

O ministro Ricardo Lewandowski, por sua vez, pediu a palavra para se manifestar em sentido contrário. Porém, ele ainda não leu seu voto.

Lewandowski entende que o assunto deveria ser resolvido na Segunda Turma do STF: “Na última vez em que se fez isso, isso custou ao ex-presidente [Lula] 580 dias na cadeia e a candidatura”.

Marco Aurélio Mello também questionou a iniciativa de Fachin: “Não tivesse o relator julgado individualmente esse habeas corpus, ele seria submetido a que órgão? Ao plenário ou à Turma?”.

“A razão de ser dessa possibilidade de o relator indicar à turma ou ao plenário é a envergadura da matéria. Se o agravo foi decidido pela Segunda Turma, como pode agora o habeas corpus ser decidido pelo plenário?”, questionou Marco Aurélio.

O ministro Gilmar Mendes também se manifestou, embora também ainda não tenha votado: “Nós estamos não só julgando esse caso, mas nos posicionando em face da própria história”.

“Não quero emitir juízo, mas há mais nesse andar trôpego do habeas corpus”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 5
Gazeta Brasil
Gazeta Brasilhttps://www.gazetabrasil.com.br
A Gazeta Brasil é um jornal brasileiro diário editado na cidade de São Paulo. Publica textos, fotos, vídeos no formato digital. Faz parte do grupo AZComm Comunicação e Eventos.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Últimos artigos