O procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras, afirmou na noite desta sexta-feira (31), durante discussão com subprocuradores, que não permitirá que perdure o “aparelhamento” no Ministério Público Federal (MPF).

As declarações foram dadas durante o Conselho Superior do Ministério Público Federal.

“Estou aqui para não permitir que esse aparelhamento perdure, incompatível com a República e com a democracia, perdure ao mesmo durante a minha gestão”, disse o PGR. “Meus propósitos é servir ao Ministério Público com a dignidade do cargo”.

“Me faltam 14 meses, e eu prometo a vocês que vou cumprir meu dever. Não vou deixar nenhuma irregularidade ou aparelhamento prevalecer. Falo em nome próprio e falarei sempre em nome próprio, não preciso de escudos”.