Foto: reprodução

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, decidiu vetar nesta quarta-feira (15), a necessidade de identificação biométrica nas eleições 2020 por causa do suposto “risco de infecções de covid-19”. A exclusão do procedimento segue recomendação de infectologistas que prestam consultoria sanitária ao TSE.

A decisão do também ministro do STF precisa ainda ser analisada pelos demais ministros da corte eleitoral. A questão deverá ser levada para análise pelo plenário depois que acabar o recesso do Judiciário.

Integram o grupo da consultoria sanitária os médicos David Uip, do Hospital Sírio Libanês, que também auxilia o governo de São Paulo no combate à pandemia; Marília Santini, da Fundação Fiocruz; e Luís Fernando Aranha Camargo, do Hospital Albert Einstein.

O objetivo do grupo também é fazer uma cartilha sanitária para auxiliar no pleito, que será feito em novembro deste ano. Também por causa da covid-19, as eleições foram adiadas.

Segundo o próprio TSE, o objetivo da biometria nas eleições é evitar fraudes e garantir que o eleitor seja o único a votar com seu título.

Siga a Gazeta Brasil no Instagram