Advogados do senador Flávio Bolsonaro desmentiram as informações do Ministério Público do Rio de Janeiro de que Fabrício Queiroz seria o articulador de um esquema de ‘rachadinha’ a mando do parlamentar e que ele teria efetuado pagamentos de mensalidades escolares e plano de saúde para o filho do presidente da República. 

As acusações constam no pedido de prisão de Queiroz, realizado quinta-feira (18) em uma casa em Atibaia, interior de São Paulo.

“Trata-se de mais uma ilação de alguns promotores de injustiça do Rio. O patrimônio do senador é totalmente compatível com seus rendimentos e isso ficará inequivocamente comprovado dentro dos autos”, diz a nota da defesa.

As acusações constam no pedido de prisão de Queiroz, realizado quinta-feira (18) em uma casa em Atibaia, interior de São Paulo.