A concessionária Ecovias, que administra o sistema Anchieta-Imigrantes, assinou ontem (6) um  ANPC (acordo de não persecução cível) com o MP-SP (Ministério Público de São Paulo) em que diz que todos os 12 contratos de concessão rodoviária assinados pelo governo de São Paulo a partir de 1998 foram fraudados por meio de cartel. Como parte do acordo, a Ecovias compromete-se a pagar R$ 638 milhões ao Estado.

O cartel, segundo a Ecovias, ocorreu durante as gestões dos governadores Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra, todos do PSDB. O acordo tem valor total de R$ 650 milhões, sendo R$ 450 milhões em obras, R$ 150 milhões na redução de pedágio e R$ 50 milhões em multa. O conteúdo dos relatos feitos aos promotores foram publicados pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo o MP-SP, a Ecovias e dezenas de empresas formaram consórcios para disputar licitações com o objetivo apenas de simular competição. Nem todas, porém, tinham condições reais de assumir as rodovias em disputa.

 

Siga a Gazeta Brasil no Instagram