Foto: divulgação

O ex-Procurador Geral da República (PGR), Rodrigo Janot, comentou nesta quarta-feira (05), sobre ter entrado armado no Supremo Tribunal Federal (STF) para assassinar Gilmar Mendes.

“O que eu fiz ali foi revelar um pensamento que eu tive quase três anos atrás. Se eu não tivesse falado, ninguém saberia. Estava me incomodando e eu queria estar em paz comigo mesmo”, afirmou em entrevista à Rádio Gaúcha.

“Noticiaram que eu tinha planos de assassinato, que eu tinha planos terroristas, que eu teria me armado para ir ao STF. Nada disso. Era um momento muito tenso e eu, para garantir a minha integridade física, andava armado mesmo”, disse.

E continuou:

“Eu não agi como PGR, não agi como advogado, não agi como autoridade. Não agi em momento nenhum. Eu pensei como pai, como pai mesmo. Como pai que quer muito bem a seu filho. […] Quando um filho seu cai em um fosso de jacaré, você não pensa. Você pula no fosso de jacaré para tentar tirar o filho. Você vai porque é um instinto de pai, de proteção. Mas eu mesmo recuei do meu pensamento.”

Finalizou:

“A história de a minha filha ter sido envolvida em uma mentira, o que poderia ter comprometido a vida pessoal e profissional dela, foi o que me levou a ter esse pensamento impuro.”

Siga a Gazeta Brasil no Instagram