O ministério da Justiça e Segurança Pública, de Sergio Moro, pediu, por meio da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), explicações sobre os recentes aumentos de preços de máscaras e álcool em gel. E também, o funcionamento dos mercados.

A Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (ABRAFARMA), a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS) e diversos produtores terão 5 dias para esclarecer o ministério.

As notificações levaram em conta as informações enviadas à Secretaria pela Prefeitura de Florianópolis (SC) e pelo Procon de Florianópolis sobre investigação conduzida naquele município sobre os supostos aumentos abusivos de preços praticados por fornecedores.

De acordo com o Procon-SP, só 2 em 43 lojas têm álcool em gel.

Siga a Gazeta Brasil no Instagram