Nos siga em

O QUE ESTÁ PROCURANDO

Brasil

PF realiza megaoperação em 5 Estados contra crimes envolvendo negociação de criptoativos

A Polícia Federal, com o apoio da Receita Federal, deflagrou na manhã desta quinta-feira, 22/9, a Operação Colossus, para reprimir crimes de evasão de divisas, lavagem de dinheiro e associação criminosa, apurados no período de 2017 a 2021, e que ainda persistem.

As investigações tiveram início a partir de Relatório de Inteligência Financeira, com comunicações de movimentações bancárias suspeitas envolvendo a negociação de criptoativos.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Devido à complexidade e à grandiosidade das operações financeiras analisadas, os investigados foram divididos em grupos. 

O grupo dos arbitradores era responsável pela aquisição de grandes quantidades de ativos virtuais no exterior, em países como Estados Unidos da América, Cingapura e Hong Kong, e a sua venda no Brasil.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Para tanto foram realizadas remessas de valores para o exterior na ordem de mais de R$ 18 bilhões.

As investigações apontaram que parte da documentação apresentada aos bancos possui indícios de desvio de finalidade.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

A documentação em questão tinha como objetivo ocultar a origem nacional dos valores, já que, segundo apurado, as Exchanges americanas não aceitavam a compra de criptoativos com recursos oriundos do Brasil.

O grupo das Exchanges era responsável pela compra dos ativos virtuais dos arbitradores e a sua revenda para pessoas físicas e jurídicas, com fortes indícios de envolvimento em ilícitos antecedentes.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Já o terceiro grupo era formado por empresas de fachada que adquiriam os criptoativos das Exchanges com a finalidade de lavagem de dinheiro. Chama atenção o fato de dentre os clientes dessas existirem pessoas mortas, beneficiários de programas assistenciais, idosos com mais de 90 anos de idade, doleiros, contrabandistas e comerciantes de bairros de comércio popular de diversas cidades do país, em especial do Brás e da 25 de Março em São Paulo/SP.

Um único contador era responsável por mais de 1.300 empresas sediadas nesses locais de comércio popular de São Paulo. A maioria dessas empresas era de fachada.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Durante o período investigado, as empresas administradas por esse contador movimentaram, aproximadamente, R$ 1 bilhão com os arbitradores e as Exchanges investigadas.

Foi possível apurar a conexão dos fatos investigados com diversas operações já deflagradas pela Polícia Federal, como a Planum, Rekt, Valeta, Sucessão, Mardof, Kryptos, Betka e outras.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Essas investigações tinham por objetivo apurar crimes relacionados ao tráfico internacional de drogas, organização criminosa, crimes contra o sistema financeiro nacional, pirâmides financeiras e lavagem de dinheiro. Além desses, os indícios levantados apontam para a compra direta de criptoativos por traficantes de drogas, doleiros, contrabandistas e outros interessados em realizar operações de cripto-cabo.

Em comum, todos os investigados nessas operações adquiriram milhões de reais em criptoativos, cuja finalidade era remessa de valores para fora do país.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

As investigações apontaram que, após cada operação policial realizada, as empresas de fachada comprometidas eram fechadas e novas empresas abertas, de modo a viabilizar a continuidade da movimentação dos valores de origem ilícita. Há casos de empresas de fachada que já estão na terceira geração.

Ao longo das investigações, levantou-se que em um período de quatro anos os investigados movimentaram mais de R$ 61 bilhões através do sistema bancário formal. As investigações apontam, ainda, que a movimentação de recursos de tal grandeza só foi possível porque várias instituições financeiras que movimentaram recursos com os investigados apresentaram falhas em seus sistemas de Compliance.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Ao todo, mais de 40 instituições financeiras movimentaram recursos dos investigados. Em certos casos, algumas dessas instituições, ao detectarem tais movimentações suspeitas, comunicaram tais fatos ao COAF e encerraram relacionamento com os clientes investigados. Porém, os investigados ingressaram com ações na Justiça e obtiveram decisões judiciais favoráveis, obrigando, assim, os bancos a continuarem movimentando recursos dessas empresas.

Estão sendo cumpridos, por 170 policiais federais e por servidores da Receita Federal, 101 determinações judiciais expedidas pela 6ª Vara Criminal de São Paulo/SP. No total, foram deferidas duas ordens judiciais de prisão preventiva; 37 ordens judiciais de busca e apreensão, sendo 22 pessoas físicas e 15 pessoas jurídicas. Dentre as pessoas jurídicas, destacam-se mandados de busca em seis Exchanges, quatro instituições financeiras autorizadas pelo BACEN a operar no mercado de câmbio e três escritórios de contabilidade.  

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Além dos mandados de busca e apreensão, foi determinado o bloqueio de bens e valores dos investigados no valor aproximado de R$ 1,25 bilhão. Também foi determinado a 28 Exchanges, com atuação no Brasil e no exterior, o sequestro de ativos virtuais titularizados pelos investigados e que, eventualmente, estejam na posse dessas. 

Comprar e vender ativos virtuais, assim como realizar operações de arbitragem não é crime. Porém, cada vez mais pessoas interessadas em ocultar a origem de recursos ilícitos tem feito uso deste tipo de artificio. 

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Devido à regulação atual e à falta de controle mais efetivo, os investigados revenderam ativos virtuais a pessoas físicas e jurídicas interessadas em lavar valores oriundos de crimes. As investigações apontam que, durante os anos de 2017 e 2019, os ativos virtuais preferidos pelos investigados, para fins de ocultação de valores e/ou remessa para o exterior eram ativos virtuais como o Bitcoin. Porém, devido a sua grande volatilidade, a partir de 2020, o bitcoin foi substituído por outros ativos virtuais pareados a moedas estrangeiras como o dólar americano, denominados de stablecoins, cuja variação de valor é menor.

As análises fiscais realizadas pela Receita Federal demonstraram que muitos dos investigados prestaram milhares de declarações em consonância com o normativo da RFB. Porém, quando essas declarações fiscais foram cotejadas com as movimentações bancárias dos investigados, foram detectadas discrepâncias da ordem de mais de R$ 1 bilhão, em um único caso.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

As investigações também apontam que bilhões de reais são remetidos para fora do país sob o pretexto de arbitragem de ativos virtuais, razão pela qual as apurações continuam para aferir se tais quantias foram, de fato, utilizadas na aquisição desses ativos e, também, identificar a origem dos criptoativos vendidos no país, assim como o eventual recolhimento de tributos nessas operações, que, caso fosse feito, pelas cifras envolvidas, gerariam milhões de reais em divisas aos cofres públicos.

A operação Colossus, que foi gestada no Laboratório de Tecnologia contra a Lavagem de Dinheiro da Delegacia de Repressão a Corrupção e Crimes Financeiros da Superintendência de Polícia Federal em São Paulo, tem como mérito a geração de informações capazes de auxiliar os órgãos de controle e regulação na melhoria do ambiente de negócios e no estabelecimento de balizas normativas para desenvolvimento e aprimoramento de normas que viabilizem maior segurança aos atores que trabalham de forma lícita nesse mercado.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O nome da operação é uma alusão ao computador batizado com o mesmo nome que foi desenvolvido durante a 2ª Guerra Mundial por criptoanalistas britânicos. O objetivo era decifrar a comunicação codificada, permitindo aos aliados se anteciparem para neutralizar os movimentos inimigos. Da mesma forma, essa operação policial tem como objetivo “levantar o véu do anonimato” que protege a lavagem de dinheiro por meio dos ativos virtuais, fornecendo aos órgãos de controle e regulação, subsídios para se anteciparem às ações ilícitas de lavagem, neutralizando, assim, esse tipo de prática.

Os crimes em apuração vão desde evasão de divisas, lavagem de dinheiro a associação criminosa dentre outros, cujas penas máximas somadas ultrapassam 30 anos de prisão. 

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO
Escrito Por

Destaques

Alexandre de Moraes TSE Centro Desinformação

Últimas Notícias

O jornalista Glenn Greenwald trouxe à tona uma ordem emitida pelo ministro Alexandre de Moraes, membro do Supremo Tribunal Federal (STF), que provocou uma...

RESUMO DO DIA

✅Milei Se Encontra Com Elon Musk E Oferece Ajuda Contra O STF Milei se encontra com Elon Musk e oferece ajuda contra o STF...

Últimas Notícias

Um acidente ocorrido no final de março na Zona Leste de São Paulo está sob investigação pelas autoridades policiais. O motorista de um Porsche,...

Shein Shein

Economia

Nesta sexta-feira (12), a gigante chinesa do varejo de moda Shein expressou sua crítica em relação ao aumento da alíquota do ICMS (Imposto sobre...

Últimas Notícias

A Casa Branca reiterou nesta sexta-feira que um ataque direto do Irã contra Israel continua sendo um cenário “muito crível, viável e iminente” após...

RESUMO DO DIA

Dólar: 5,13 Euro: 5,46 ✅Brasil Concentra 83% Dos Casos De Dengue Nas Américas, Diz Opas CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO Brasil concentra 83% dos...

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Brasil

Fernando Sastre de Andrade Filho

São Paulo

Fernando Sastre de Andrade Filho, o motorista do Porsche acusado de matar Ornaldo da Silva Viana em um acidente de trânsito na Zona Leste...

São Paulo

Nesta sexta-feira (12), a Polícia Civil efetuou a prisão de um homem de 22 anos, procurado pela Justiça por tráfico de drogas e associação...

São Paulo

A 22ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo rejeitou, na quinta-feira (11), um recurso apresentado pela Enel Distribuição São...

Brasil

Um homem foi preso na última quinta-feira (11), no distrito de Barra de Pojuca, em Camaçari, acusado de tentar matar o próprio filho de...

PF e BPFron apreendem 500kg de agrotóxicos contrabandeados em Guaíra PF e BPFron apreendem 500kg de agrotóxicos contrabandeados em Guaíra

Brasil

Em uma ação conjunta realizada na última quinta-feira (11), a Polícia Federal (PF), em conjunto com o Batalhão de Polícia Militar de Fronteira (BPFron),...

Novo Bolsa Família Novo Bolsa Família

Brasil

Jesser Marques Fidelix, o Jessé, e Márcio André Geber Boaventura Júnior, presos na noite de quinta-feira (11) em São Paulo por suspeita de negociar...

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO
Facebook
X\Twetter
LinkedIn
WhatsApp
Threads
Telegram
Reddit