CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pela primeira vez, desde o início de implementação do Plano São Paulo, todas as regiões do estado ganharam classificação amarela, ou seja, passaram para a terceira fase.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O plano de retomada econômica e de convivência com a pandemia do novo coronavírus foi iniciado no estado paulista a partir de junho, informou Agência Brasil.

Desde a última classificação, feita na sexta-feira (4), apenas duas regiões do estado ainda se mantinham na segunda fase, laranja, do Plano São Paulo: Ribeirão Preto e Franca. Segundo nova atualização, elas evoluíram para a fase amarela.

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul).

O plano também é regionalizado, ou seja, o estado foi dividido em 17 regiões e cada uma delas é classificada em uma fase.

Na fase amarela é permitido o atendimento presencial em bares, restaurantes, salões de beleza, barbearias, academias, shoppings, comércios de rua, escritórios em geral e concessionárias pelo período de oito horas por dia, com capacidade limitada a 40%, com exceção das academias, que tem capacidade limitada de 30%.

Os estabelecimentos de alimentação que estão localizados em regiões há pelo menos 14 dias na fase marela podem funcionar até as 22h. Se estiverem localizados em regiões há menos tempo na fase amarela, eles só podem funcionar até as 17h.

Na fase amarela também é permitida a reabertura de eventos, convenções e atividades culturais. No entanto, para que isso ocorra, a região precisa estar há 28 dias na fase amarela e só é permitido público sentado, com capacidade limitada a 40%.

Com 234 mortes e 8.055 novos casos registrados nas últimas 24 horas, o estado de São Paulo soma agora 32.338 óbitos e 882.809 casos confirmados do novo coronavírus desde o início da pandemia. A taxa de ocupação de leitos de UTI está em 52,5% no estado e em 52,2% na Grande São Paulo.

*Agência de notícias Sputnik

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE