Nos siga em

O QUE ESTÁ PROCURANDO

israel e eua

Mundo

Conflito entre Israel e Hamas e após morte do presidente do Irã: Quais são as expectativas dos EUA?

A Casa Branca admitiu que a morte do presidente iraniano Ebrahim Raisi vai atrasar as negociações em curso no Catar e em Omã para alcançar um cessar-fogo entre Israel e o Hamas, além da libertação de reféns mantidos pelo grupo terrorista e a implementação de um plano abrangente para aliviar a crise humanitária em Gaza.

O líder supremo do Irã, Ali Khamenei, decretou cinco dias de luto e nomeou Ali Bagheri como ministro das Relações Exteriores em substituição a Hossein Amirabdollahian, que também morreu no acidente com o helicóptero presidencial.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

De acordo com a Constituição do Irã, Raisi foi sucedido pelo vice-presidente Mohammad Mokhber, que permanecerá no cargo por 50 dias até as próximas eleições. Se não houver contratempos inesperados, Mojtaba Khamenei – filho do líder Khamenei – assumirá a presidência antes do final do ano.

Após o ataque do Hamas a Israel e a subsequente guerra em Gaza, os Estados Unidos e o Catar haviam articulado um mecanismo de negociação que permitia um diálogo contínuo entre Jerusalém, Teerã, Doha, Riad e Washington.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

As conversas tiveram altos e baixos e seus resultados dependiam, em última instância, das posições políticas dos terroristas em Gaza e do Gabinete de Guerra de Israel. Houve apenas um cessar-fogo com libertação de reféns e ajuda humanitária, e então tudo parou com o ataque israelense ao consulado do Irã em Damasco e a resposta de Teerã com 300 mísseis que foram contidos a tempo.

No entanto, o canal de comunicação estabelecido pelos Estados Unidos e pelo Catar estava operacional, e até a morte de Raisi foi fundamental para avançar em um novo cessar-fogo, que também estava sendo negociado em Omã com representantes diretos do regime iraniano e enviados por Washington.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Brett McGurk, conselheiro de Biden para o Oriente Médio, e Abram Paley, enviado especial adjunto para o Irã, estiveram em Omã há dez dias. Suas instruções eram conseguir que o Irã reduzisse o apoio logístico e o fornecimento de armamentos ao Hezbollah, Hamas e os houthis. O temor da Casa Branca é que a guerra em Gaza resulte em um conflito total na região.

Os Estados Unidos romperam relações com o Irã após a revolução de 1979, e desde então os contatos são indiretos e por meio de representantes designados por seus aliados no mundo árabe. Desta vez, em Omã, McGurk e Paley estavam em uma sala enquanto os representantes iranianos estavam em outro escritório próximo. As negociações avançaram e as partes se comprometeram a realizar uma nova reunião antes do final de maio.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Mas a morte de Raisi paralisou as negociações em Omã. Os representantes iranianos só retornarão a esse país árabe quando o período de luto de cinco dias terminar, relatarem detalhadamente as negociações ao novo ministro das Relações Exteriores, Ali Bagheri, e ao presidente em transição, Mohammad Mokhber, e principalmente, o líder religioso Ali Khamenei interpretar que a morte de Raisi não enfraqueceu o Irã.

Neste delicado cenário diplomático, a Casa Branca destacou que o Hamas emitiu um comunicado ratificando que a morte de Raisi foi consequência de um acidente causado pelas condições climáticas e que Israel – a seguir – usará um importante funcionário de seu Gabinete de Guerra para afirmar que não foi responsável pela morte do ex-presidente iraniano.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

As declarações do Hamas e do governo de Israel contêm a possibilidade de estabelecer a teoria do atentado contra Raisi e permitem atravessar este período de transição em direção à abertura de uma nova mesa de diálogo no Catar e em Omã.

No entanto, a situação continua incerta e há preocupação em Washington. Teerã não tem intenções de reverter seu programa nuclear e continuará a fornecer armas, treinamento e logística ao Hamas em Gaza, Hezbollah no Líbano e aos houthis no Iêmen, se não houver um acordo que envolva necessariamente o Catar e a Arábia Saudita.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

No contexto atual de crise, e diante do papel desempenhado pelo ex-ministro das Relações Exteriores Hossein Amirabdollahian, em DC consideraram uma decisão acertada que Ali Khamenei tenha nomeado Ali Bagheri como ministro das Relações Exteriores do Irã. Ali Bagheri tem experiência diplomática e espera-se que não seja um obstáculo ideológico ao avançar nas negociações.

Apesar de sua idade avançada e declínio físico, Ali Khamenei controla a agenda política do Irã. Mohammad Mokhber assumiu a presidência invocando o artigo 131 da constituição iraniana, e espera-se uma limitada disputa palaciana quando chegar a hora de nomear o futuro presidente formal.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Todas as indicações são de que Mojtaba Khamenei – filho do líder Khamenei – assumirá a presidência e tentará coroar o que o destino proibiu a Raisi: fundir em um único cargo a representação política e o liderança religiosa.

Enquanto isso, a Casa Branca espera que o luto de cinco dias no Irã passe e que as negociações recomecem para acordar um cessar-fogo. Não ocorrerá antes do início de junho.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

 

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO
Escrito Por

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Destaques

Mundo

O mundo está à beira de uma catástrofe, disse o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, na sexta-feira, apontando os riscos de um potencial conflito...

Mundo

Três pessoas morreram e 10 ficaram feridas em um tiroteio em um supermercado em Fordyce, no Arkansas (EUA). A informação foi dada pela Polícia...

Brasil

Professores de ao menos 25 universidades federais encerraram a greve iniciada em meados de abril, de acordo com apuração da Agência Brasil. O prazo...

Alexandre de Moraes Alexandre de Moraes

Justiça

Nesta sexta-feira (21), o congressista republicano Chris Smith enviou uma carta ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, exigindo esclarecimentos sobre...

Juscelino Filho - Polícia Federal indicia ministro de Lula por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa Juscelino Filho - Polícia Federal indicia ministro de Lula por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa

Política

Nesta sexta-feira (21), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que está “feliz” com a atuação do ministro das Comunicações, Juscelino Filho...

Política

A deputada federal Sâmia Bomfim (PSol-SP) apresentou dois projetos de lei para dificultar a possibilidade de médicos e outros profissionais de saúde se recusarem a...

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Brasil

Brasil

O Ministério de Portos e Aeroportos anunciou nesta sexta-feira (21) que o Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, será parcialmente reaberto na primeira...

Brasil

Na cidade de Teresina, a polícia efetuou a prisão de um comerciante e seu irmão sob a acusação de liderarem um grupo criminoso envolvido...

Brasil

A Prefeitura de São Paulo e o Governo Estadual têm instalado grades na Rua dos Protestantes, no centro da cidade, conhecida como Cracolândia, para...

São Paulo

Uma mulher de 46 anos foi presa em flagrante na quinta-feira (20) transportando 25 kg de crack na Rodovia Anhanguera, em Americana, no interior...

São Paulo

A Polícia Civil deflagrou uma grande operação contra roubos e furtos de veículos entre os dias 19 e 20 de junho, no litoral de...

Parque Nacional do Itatiaia Parque Nacional do Itatiaia

Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) recebeu ao longo desta semana vinte representações sobre o incêndio no Parque Nacional do Itatiaia (PNI), iniciado na sexta-feira,...

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO
Facebook
X\Twetter
LinkedIn
WhatsApp
Threads
Telegram
Reddit