CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Barroso Dilma

Ao defender o parlamentarismo no Brasil, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, afirmou que Dilma não sofreu impeachment em 2016 por “corrupção”, mesmo com a ex-presidente ter cometido os crimes de responsabilidade de “pedalada fiscal” e créditos suplementares sem autorização legislativa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Falo disso desde 2006. Teria evitado pelo menos o impeachment da presidente Dilma Rousseff, quando estamos convencidos de que ela sofreu o impeachment não devido a corrupção, mas sim devido à falta de apoio do congresso e da sociedade”, afirmou Barroso durante live na Fundação Fernando Henrique Cardoso.

Para o ministro do STF, o modelo político do Brasil tem um problema de governança ao centrar muitas atribuições no presidente da República:

“O presidencialismo sempre originou crises na América Latina e no Brasil. Sempre foi um risco para democracias frágeis e autoritárias. O presidente deveria ser o chefe de Estado com poucas e importantes competências e contar com um primeiro-ministro para atuar como um agente político”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE