Nos siga em

O QUE ESTÁ PROCURANDO

Foto: Divulgação

Destaques

Com serviços afetados pela pandemia, PIB de 2020 cai 3,3% aponta IBGE

IBGE – Em 2020, quando a pandemia de COVID-19 impactou a economia mundial, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 3,3%, após crescer 1,2% em 2019. O valor adicionado bruto dos serviços caiu 3,7%, puxado pelo consumo das famílias (-4,5%). Em valores correntes, o PIB foi de R$ 7,6 trilhões e o PIB per capita, de R$ 35.935,74. Os dados são do Sistema de Contas Nacionais do IBGE.

“Foi uma queda muito localizada nos serviços, principalmente nos serviços presenciais, paralisados durante a pandemia, como hotéis, restaurantes, cinema e entretenimento, viagens e os serviços domésticos”, destaca Cristiano Martins, gerente de bens e serviços de Contas Nacionais do IBGE.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O PIB de 2020 foi revisado de -3,9% para -3,3%. A revisão decorreu, principalmente, da incorporação de novos dados sobre os Serviços, que passou de -4,3% para -3,7%, em particular para Outras atividades de serviços (de -12,3% para -9,3%). A queda da Indústria foi revisada de -3,4% para -3,0%, enquanto o crescimento da Agropecuária foi revisado de 3,8% para 4,2%.

“Sempre ocorrem revisões dos dados preliminares em relação aos definitivos, com mais fontes de informações. Entretanto, em épocas atípicas, como a pandemia de 2020, elas podem ser maiores, fato que ocorreu em todo o mundo”, salienta Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

A queda do PIB resultou de um decréscimo de 3,2% do valor adicionado bruto.  Em termos de impacto, -2,7 pontos percentuais (p.p) se devem ao setor de Serviços. A Indústria contribuiu com -0,6 p.p. Já a Agropecuária contribuiu positivamente com 0,2 p.p.

Em 2020, sete dos 12 grupos de atividades econômicas recuaram, com destaque para outras atividades de serviços (-9,3%). Também bastante impactada pela pandemia, a atividade transporte, armazenagem e correios caiu 12,7%.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

“A queda de outros serviços explica a maior parte da queda da economia. Dentro dessa atividade, destacam-se as quedas em serviços de alimentação (-27,0%), serviços de alojamento (-27,0%), atividades artísticas (-25,5%) e serviços domésticos (-23,3%)”, explica o gerente.

Destaca-se ainda as quedas em indústrias de transformação (-4,7%) e administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-4,5%) e construção (-2,1%), que voltou a cair após apresentar em 2019 o primeiro resultado positivo (1,9%) desde 2014.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

As atividades saúde pública (-14,8%) e saúde privada (-7,2%) também caíram, mas a atividade fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos cresceu 4,2%. “Apesar do aumento nos serviços médicos voltados para a pandemia, os tratamentos oncológicos, cirurgias e outros procedimentos eletivos pararam, o que fez a atividade cair”, comenta o gerente.

Consumo das famílias cai 4,4%

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Em 2020, as despesas de consumo final, que englobam despesas de consumo das famílias, governos e instituições sem fins de lucro, caíram 4,4%. A despesa de consumo final do governo, que engloba as despesas com bens e serviços oferecidos pelo governo à coletividade, caiu 3,7% em 2020, após ter caído 0,5% em 2019. Já o consumo das famílias, que representa 61,8% do PIB, caiu 4,5%. A variação de preço dos bens e serviços consumidos pelas famílias, foi de 4,5%.

Comparando-se a participação de bens e serviços no consumo final das famílias, observa-se que, em 2020, os serviços tiveram queda (-10,2%) bem maior do que os bens de consumo (-0,7%). Houve quedas na maior parte dos grupos de produtos que compõem as despesas do consumo das famílias, com maiores contribuições de Transportes (-14,6%), Educação (-11,0%) e Alimentação e Bebidas (-6,6%). Apenas Habitação (0,9%) e Artigos de Residência (1,9%) tiveram alta.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

“No grupo alimentação e bebidas a queda veio, principalmente, do consumo em bares e restaurantes (-29,0%), enquanto a alimentação no domicílio ficou estável. Já no grupo habitação, a despesa com aluguéis caiu (-5,1%), mas aumentou o consumo de energia elétrica (3,6%), água e esgoto (4,1%) e gás de cozinha (5,0%). No grupo artigos de residência o aumento do consumo final concentrou-se em eletrodomésticos (5,1%) e computadores (13,0%)”, comenta Martins.

Formação Bruta de Capital Fixo registra queda de 1,7%

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

A formação bruta de capital fixo da economia brasileira somou R$ 1,3 trilhão em 2020, registrando queda de 1,7%. A taxa de investimento, que consiste na razão entre a formação bruta de capital fixo e o PIB, foi 16,6%, e cresceu 1,1 ponto percentual em relação a 2019.

A maior queda se deu em máquinas e equipamentos (-4,3%). Produtos de propriedade intelectual também teve retração (-2,3%). Já o grupo construção (0,6%) e outros ativos fixos (1,9%) cresceram.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O grupo Construção continua sendo o de maior peso na formação bruta de capital fixo, com 44,6% de participação. Máquinas e equipamentos, o segundo grupo mais importante, continua aumentando sua participação, passando de 40,9% para 41,5%. Produtos de propriedade intelectual é o grupo com queda de participação no período, passando de 12,8% para 11,8%.

Cai a participação das remunerações dos empregados no PIB

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Pela ótica da renda, que apresenta as parcelas dos empregados (salários e contribuições sociais), do excedente operacional bruto e do rendimento misto das famílias, além dos impostos líquidos de subsídios sobre a produção e a importação referentes à participação do governo, observou-se que a participação das contribuições sociais caiu de 9,2% para 8,7% e os salários de 34,4% para 33,3%. Sendo assim, diminuiu a parcela das remunerações dos empregados no PIB, que atingiu 42,0%, enquanto a participação do excedente operacional bruto chegou a 35,3%, o maior patamar desde 2010.

Segundo Martins, “as ocupações sem carteira de trabalho assinada foram as mais afetadas pela pandemia, principalmente na área de serviços, e tiveram queda mais expressiva no total de ocupações, de 17,5%, de 2019 a 2020. Já as ocupações com vínculo formal de trabalho tiveram queda menor, de 1,6%, e com isso representaram 52,7% de todas as ocupações em 2020”.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Necessidade de financiamento da economia nacional cai 66,6%

A necessidade de financiamento da economia brasileira foi de R$ 80,5 bilhões em 2020, com uma queda de 66,6% em relação a 2019, quando atingiu R$ 241,0 bilhões.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Contribuiu para essa redução o desempenho do comércio exterior, uma vez que as exportações de bens e serviços, tiveram crescimento nominal de 20,0% (R$ 1,25 trilhão em 2020 contra R$ 1,04 trilhão em 2019) enquanto as importações de bens e serviços experimentaram menor elevação, de 10,5% (R$ 1,2 trilhão em 2020 ante R$ 1,1 trilhão em 2019).

“O Brasil costuma apresentar déficit na conta de serviços do balanço de pagamentos. Dessa vez, com a pandemia, como caíram as viagens internacionais e transportes, entre outros, esse déficit diminuiu. Então, tivemos um saldo favorável, puxado pelo setor externo”, esclarece Teresa Bastos, gerente de setores institucionais de Contas Nacionais.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O saldo externo de bens e serviços registrou uma evolução positiva, passando de um déficit de R$ 47,6 bilhões em 2019 para um superávit de R$ 46,0 bilhões.

Empresas não financeiras mostram capacidade de financiamento de 1,6%, maior da série

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O setor empresas não financeiras apresentou em 2020 a maior capacidade de financiamento como proporção do valor adicionado bruto em toda a série iniciada em 2000: 1,6%.

A gerente explica que “isso aconteceu devido à queda nominal das remunerações dos empregados. Com isso, caiu a participação do trabalho e cresceu a do capital em relação ao valor adicionado bruto.”

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

A poupança bruta reverteu a queda do ano anterior, alcançando R$ 727,3 bilhões em 2020, maior valor a preços correntes da série. A Formação Bruta de Capital Fixo em relação ao valor adicionado bruto aumentou 1,3 ponto percentual, terceiro ano seguido de crescimento. Apesar desta sequência de recuperação, o indicador ainda permanece abaixo de sua média histórica (21,0%).

O setor empresas financeiras teve aumento nominal na capacidade de financiamento de 64,0%, ao passar de 132,3 bilhões, em 2019, para R$ 216,9 bilhões, em 2020. Contribuíram para esse resultado a redução nas rendas de propriedades pagas (-9,1%) em relação às recebidas (-3,6%).

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Contribuiu também para o resultado a redução dos impostos sobre a renda e patrimônio de 15,3%. Por outro lado, houve um crescimento de 10,2% da formação bruta de capital fixo.

O setor de governo geral registrou aumento nominal de 148,4% na necessidade de financiamento do setor público (NFSP), de R$ 369,6 bilhões em 2019 para R$ 918,0 bilhões em 2020.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Esse comportamento se explica pela queda de 2,6% da receita total, ante um aumento de 9,9% das despesas totais das três esferas de governo, ambos influenciados pelos impactos da pandemia da COVID-19 e das medidas adotadas pelos governos para seu enfrentamento.

“Os benefícios sociais totais cresceram 30,7% no ano, ante uma variação de 9,6% em 2019. Os benefícios de assistência social, que englobam o auxílio emergencial e o benefício emergencial de manutenção do emprego e da renda tiveram crescimento nominal de 325,7%, passando de R$ 97,4 bilhões, em 2019, para R$ 414,6 bilhões, em 2020”, demonstra a gerente.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Benefícios sociais recebidos pelas famílias crescem 29,4%

A participação da remuneração dos empregados na renda disponível das famílias caiu 4,7 p.p entre 2019 e 2020, passando de 61,5 para 56,8%. Essa participação atingiu o máximo em 2011 (65,3%).

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

A renda consumida, ou seja, a parcela do consumo final das famílias na renda disponível, foi de 83,6%, caindo 6,3 p.p em relação a 2019. Essa participação caiu entre 2015 e 2017, aumentando para 89,9% em 2018 e 2019.

A poupança bruta, que corresponde à diferença entre a renda disponível bruta e o consumo final das famílias, acrescida do ajustamento pela variação dos direitos de pensão, cresceu 6,3 p.p em relação a 2019, atingindo 17,3%.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

A capacidade de financiamento das famílias aumentou 202,3%, em termos nominais, alcançando o valor de R$ 557,9 bilhões, frente a R$ 184,6 bilhões no ano anterior. Contribuíram para esse resultado, sobretudo, o crescimento de 68,8% da poupança e o aumento de 29,4% dos benefícios sociais recebidos pelas famílias, em termos nominais.

“Com as famílias, aconteceu o inverso do que se viu no governo em relação aos benefícios sociais. Enquanto o governo aumentou seus gastos, as famílias receberam mais benefícios durante a pandemia de COVID-19. Com isso, a capacidade de financiamento aumentou, ajudada também pelo aumento da poupança”, conclui a gerente.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO
Escrito Por

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Destaques

Negócios

O CEO da Tesla, Elon Musk, teve um terceiro filho com uma executiva da Neuralink, sua empresa de implantes cerebrais, de acordo com um...

Donald trump Donald trump

Mundo

O ex-presidente Donald Trump revelou neste sábado (22) aos repórteres que já tomou uma decisão sobre quem será seu companheiro de chapa nas eleições...

quina são joão quina são joão

Economia

Na noite deste sábado (22), a Caixa Econômica Federal realizou o sorteio especial da Quina de São João, um concurso que não acumula e...

Violência apartheid Lewandowski Violência apartheid Lewandowski

Brasil

O Ceará vive sob o terror de uma onda de violência que já deixou 12 mortos e 9 feridos desde a madrugada da última...

Mundo

O impacto de vários projéteis russos em uma área residencial na cidade de Kharkiv, no nordeste da Ucrânia, resultou na morte de pelo menos...

Mundo

Em meio à crescente tensão na fronteira entre Israel e o Líbano, o Exército israelense informou neste sábado que atacou um posto de observação...

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Brasil

São Paulo

Um homem de 31 anos foi preso em flagrante na manhã da última sexta-feira (21) após ser flagrado transportando mais de 100 quilos de...

São Paulo

Na sexta-feira (21), a Polícia Civil desarticulou uma operação criminosa em um condomínio de luxo na cidade de Igaratá, interior de São Paulo. Doze...

Assessor da Prefeitura de Duque de Caxias Assessor da Prefeitura de Duque de Caxias

Brasil

Michel Laeber Estevão, conhecido como Xexéu e assessor da Prefeitura de Duque de Caxias, Rio de Janeiro, foi vítima de um assassinato a tiros...

Aeroporto de Guarulhos Aeroporto de Guarulhos

São Paulo

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) suspendeu os efeitos da medida cautelar que limitava o número de voos no Aeroporto Internacional de São...

Brasil

O estudante Yoshinori Kubota Lima, 20 anos, cujo desaparecimento foi reportado desde a manhã de quarta-feira (19/6), foi encontrado sem vida pela Polícia Civil...

(Polícia Civil do Ceará) (Polícia Civil do Ceará)

Brasil

Uma onda de violência iniciada na madrugada de quinta-feira (20) em Viçosa do Ceará, a cerca de 360 km de Fortaleza, resultou na morte...

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO
Facebook
X\Twetter
LinkedIn
WhatsApp
Threads
Telegram
Reddit