Nos siga em

O QUE ESTÁ PROCURANDO

(Captura de tela X)

Mundo

Atriz pornô conta detalhes do Encontro com Trump em Hotel

Stormy Daniels, a estrela pornô no centro do caso de Donald Trump para manter seu silêncio, subiu ao palco nesta terça-feira no julgamento do ex-presidente dos Estados Unidos.

“A Promotoria chama Stormy Daniels”, anunciou a promotora Susan Hoffinger enquanto Trump se sentava à mesa da defesa, ladeado por seus advogados.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Antes de responder, Daniels remexeu-se em sua cadeira por um momento, olhando ao redor da sala. Ela apontou para Trump, descreveu seu terno azul-marinho e disse que ele estava sentado à mesa da defesa.

Trump olhou para frente, com os lábios franzidos, enquanto era identificado.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Os promotores no caso de dinheiro secreto de Trump iniciaram seu interrogatório a Stormy Daniels na terça-feira, perguntando sobre sua educação na Luisiana.

Daniels falou pela primeira vez sobre ter crescido na pobreza e disse que queria ser veterinária.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Ela testemunhou que fazia balé quando criança, e depois um conhecido a inspirou a dançar de forma exótica enquanto estava no ensino médio.

“Comecei a dançar nos fins de semana, o que foi ótimo porque não precisei faltar a nenhuma aula”, testemunhou Daniels.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Enquanto Daniels descrevia sua infância e suas primeiras experiências de trabalho, Trump sussurrava frequentemente no ouvido de seu advogado, Todd Blanche. Caso contrário, seu olhar estava fixo em sua mesa e seu rosto era inexpressivo.

Os membros do júri ouviam atentamente enquanto Daniels testemunhava sobre sua participação em filmes para adultos.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Um membro do júri sorriu quando Daniels mencionou que uma das formas de entrar na indústria era ganhando um concurso como “Miss Nude América do Norte”. Muitos membros do júri tomaram notas, alternando seu olhar entre Daniels no banco das testemunhas e a promotora Susan Hoffinger em um púlpito atrás da mesa da promotoria.

Como conheceu Trump

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O testemunho de Daniels rapidamente passou para o torneio de golfe de celebridades em Lake Tahoe, onde conheceu Trump em 2006.

O estúdio de filmes para adultos para o qual trabalhava na época patrocinava um dos buracos do campo de golfe. Daniels disse ao tribunal que ela e Trump tiveram inicialmente um “encontro muito breve” quando seu grupo passou por lá.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Ela se lembrou dele falando sobre a indústria de filmes para adultos e sua destreza, comentando que ela deveria ser “a esperta” se estava fazendo filmes.

Um convite, “brigas de gatas” e o que poderia dar errado?

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Daniels relatou que viu Trump novamente após a rodada de golfe no que era conhecido como a “sala de presentes”, uma área onde os golfistas famosos pegavam sacolas de presentes e itens durante o evento em Lake Tahoe. Lá, disse, ele a reconheceu como “da lista” e perguntou se ela queria jantar.

Ela testemunhou que o guarda-costas de Trump, Keith Schiller, pegou seu número.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Daniels disse que aceitou o convite de Trump porque queria escapar de um jantar planejado com seus colegas da companhia de filmes para adultos, porque “não queria estar perto de algumas delas… brigas de gatas”, disse com um sorriso.

Ela acrescentou que seu então publicitário sugeriu em uma ligação que o convite de Trump era uma boa desculpa para evitar o jantar de trabalho e que “daria uma ótima história” e talvez ajudasse sua carreira. “O que poderia dar errado?” lembrou que disse o publicitário.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O “pijama de Hefner” e o jantar

A atriz declarou que pegou um elevador até o ático do hotel onde Trump estava hospedado seguindo instruções de seu guarda-costas. Daniels disse que viu Keith Schiller fora da porta e brincou com ele antes de entrar.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Schiller disse a ela que o plano era que ela e Trump jantassem em um dos restaurantes do hotel. Ela disse que entrou em um saguão com pisos de azulejos brancos e pretos, móveis de mogno e um grande arranjo floral.

Então chamou Trump pelo nome e disse: “Ooii”. Então Trump entrou no saguão “vestindo um pijama de seda ou cetim pelo qual imediatamente zombei dele”. “Eu disse: ‘O senhor (Hugh) Hefner sabe que você roubou o pijama dele?’”, lembrou Daniels, referindo-se ao falecido proprietário da Playboy.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Daniels relatou que Trump foi embora para vestir rapidamente um terno e descreveu a suíte do hotel de Trump como três vezes maior que seu apartamento.

Então eles se sentaram à mesa de jantar do ático, onde o magnata se interessou por sua infância, sua carreira e a produção de filmes para adultos, quantos deles são roteirizados ou improvisados, se os artistas têm sindicatos e como funcionam os testes de doenças sexualmente transmissíveis na indústria.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

“Ele estava muito, muito interessado em muitos dos aspectos comerciais, o que achei muito interessante”, já que a maioria das pessoas simplesmente pergunta sobre “as coisas sensuais… as coisas lascivas”, disse Daniels.

Trump ouviu o testemunho de Daniels com uma expressão de dor em seu rosto, às vezes murmurando algo aos advogados que estavam ao seu lado.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Antes de Stormy Daniels retornar ao banco das testemunhas após uma pausa pela manhã na terça-feira, o juiz no caso de dinheiro secreto de Donald Trump advertiu a promotora Susan Hoffinger sobre o “grau de detalhe” que estava obtendo de Daniels, dizendo que não havia necessidade de entrar no design do piso no saguão do quarto do hotel ou nos vários tópicos discutidos em sua conversa com Trump.

“O grau de detalhe que estamos analisando aqui é simplesmente desnecessário”, disse o juiz Juan M. Merchán.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O que Daniels disse sobre Trump e o programa de TV “Apprentice”

Antes de um intervalo matinal no julgamento criminal de Donald Trump, Stormy Daniels testemunhou que ela e Trump conversaram por cerca de duas horas na suíte de seu hotel antes de saírem para jantar. Durante a conversa, ela disse que ele levantou a ideia de colocá-la em seu programa de televisão “The Apprentice”.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Daniels testemunhou que Trump enfatizou o apelo de uma estrela pornô competindo no programa (que ainda não havia alcançado sua versão de celebridade) e disse que seria uma oportunidade para ela mostrar ao mundo que, como escritora e diretora, ela é “mais do que apenas uma tola tola”.

Daniels disse que duvidava que a emissora do programa, NBC, permitisse que isso acontecesse, e temia que sua falta de visão para negócios tornasse a saída mais fácil para ela. Ela disse que gostava de seu trabalho fazendo filmes para adultos e não se envergonhava disso, mas que tinha planos de escrever e dirigir videoclipes e produções mais convencionais.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

“Eles têm orçamentos maiores e melhores serviços de catering”, brincou no púlpito das testemunhas.

Daniels testemunhou que o que aprendeu com Trump foi que “as pessoas poderiam me levar a sério, saber que não era apenas uma cabeça oca” e que estar no programa poderia posicioná-la para “fazer o que queria fazer, que era ser levada a sério como escritora e diretora”.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

“Ele disse: ‘Esta é sua chance de que alguém te veja e talvez te dê essa oportunidade’”, disse Daniels. “Ele apresentou isso como uma situação em que todos ganham”.

A preparação para o seu depoimento

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Daniels, de 45 anos, atriz e diretora há muito tempo na indústria de filmes para adultos, diz que teve um encontro sexual com Trump em 2006 e depois foi paga para manter silêncio sobre isso às vésperas de sua eleição em 2016 contra Hillary Clinton, quando a notícia poderia ter afundado sua campanha.

Trump voltou na terça-feira para seu julgamento secreto e enfrenta uma ameaça de prisão por violações adicionais da ordem de silêncio.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Um advogado de Daniels, Clark Brewster, revelou anteriormente à The Associated Press que era “provável” que a atriz pornô, cujo nome real é Stephanie Clifford, fosse chamada como testemunha no julgamento de terça-feira. Trump disse anteriormente que lhe “disseram recentemente” quem seria a testemunha na terça-feira e reclamou que deveriam tê-lo avisado com mais antecedência.

Nas últimas semanas da campanha presidencial republicana de Trump em 2016, seu então advogado e mediador pessoal, Michael Cohen, pagou a Daniels 130.000 dólares para que ela guardasse silêncio sobre o que ela diz ter sido um encontro sexual desconfortável e inesperado com Trump em um evento de golfe de celebridades em Lake Tahoe em julho de 2006. Trump nega ter tido relações sexuais com Daniels.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O depoimento de Daniels, mesmo que fosse depurado para um tribunal e despojado de detalhes reveladores, é de longe o espetáculo mais esperado em um julgamento que alternou entre elementos sensacionalistas e detalhes tediosos de manutenção de registros. Sua vez no púlpito das testemunhas representará um momento notável do ponto de vista jurídico e político, já que o testemunho em tribunal de uma atriz de filmes para adultos sobre um encontro íntimo que, segundo ela, teve com Trump, adiciona-se à longa lista de primícias históricas neste caso.

Trump e sua campanha estavam se recuperando da publicação em 7 de outubro de 2016 das imagens nunca vistas antes do “Access Hollywood” de 2005, em que ele se gabava de agarrar os genitais das mulheres sem seu consentimento. Ele falou por telefone com Cohen e Hope Hicks, a secretária de imprensa de sua campanha, no dia seguinte, enquanto buscavam limitar os danos causados pela fita e manter seus supostos casos fora da imprensa.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Cohen pagou a Daniels depois que seu advogado na época, Keith Davidson, indicou que ela estava disposta a fazer declarações oficiais ao National Enquirer ou na televisão confirmando um encontro sexual com Trump. O editor do National Enquirer, Dylan Howard, alertou o editor David Pecker e depois, seguindo as instruções de Pecker, disse a Cohen que Daniels estava tentando tornar públicas suas alegações, disseram os promotores. Daniels já havia tentado vender sua história para outra revista de fofocas de celebridades, Life & Style, em 2011.

Na segunda-feira, o júri ouviu dois testemunhos, incluindo um ex-controlador da Organização Trump, que deram uma recitação mecânica, mas vital, de como a empresa reembolsou pagamentos que supostamente visavam evitar que histórias vergonhosas surgissem e, em seguida, os registraram como despesas legais de uma maneira que os promotores de Manhattan dizem ter violado a lei.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O depoimento de Jeffrey McConney forneceu uma peça angular importante para os promotores que tentam abrir o pano de fundo sobre o que eles dizem ter sido um encobrimento de registros corporativos de transações destinadas a proteger a candidatura presidencial republicana de Trump durante um período crucial da corrida. Ele se concentrou em um pagamento de 130.000 dólares de Cohen a Daniels e o subsequente reembolso que ele recebeu.

McConney e outro testemunho testemunharam que os cheques de reembolso foram retirados da conta pessoal de Trump. No entanto, mesmo quando os jurados viram os cheques e outros documentos comprobatórios, os promotores não obtiveram depoimentos na segunda-feira que demonstrassem que Trump ordenou que os pagamentos fossem registrados como despesas legais, uma designação que, segundo os promotores, foi intencionalmente enganosa.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

McConney reconheceu durante o contra-interrogatório que Trump nunca lhe pediu para registrar os reembolsos como despesas legais nem discutiu o assunto com ele de forma alguma. 

McConney reconheceu durante o contra-interrogatório que Trump nunca pediu para que os reembolsos fossem registrados como despesas legais, nem discutiu o assunto com ele de forma alguma. Outra testemunha, Deborah Tarasoff, supervisora de contas a pagar da Organização Trump, disse durante o interrogatório que não recebeu permissão do próprio Trump para emitir os cheques em questão.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

“Você nunca teve qualquer motivo para acreditar que o presidente Trump estava escondendo algo assim?” Perguntou o advogado de Trump, Todd Blanche.

“Correto”, respondeu Tarasoff.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O depoimento seguiu-se a um severo aviso do juiz Juan M. Merchán de que violações adicionais de uma ordem de silêncio, que proíbe Trump de fazer comentários incendiários extrajudiciais sobre testemunhas, membros do júri e outras pessoas intimamente relacionadas com o caso, poderiam resultar em pena de prisão.

A multa de 1.000 dólares imposta na segunda-feira marca a segunda vez desde que o julgamento começou no mês passado que Trump foi sancionado por violar a ordem de silêncio. Na semana passada, ele recebeu uma multa de 9.000 dólares, 1.000 dólares por cada uma das nove infrações.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

“Parece que multas de 1.000 dólares não servem como elemento dissuasivo. Portanto, no futuro, este tribunal terá que considerar uma sanção de prisão”, disse Merchán antes dos membros do júri entrarem na sala do tribunal. As declarações de Trump, acrescentou o juiz, “ameaçam interferir com a administração justa da justiça e constituem um ataque direto ao Estado de direito. Não posso permitir que isso continue”.

Trump inclinou-se para frente em sua cadeira, olhando com raiva para o juiz enquanto ele ditava a sentença. Quando o juiz terminou de falar, Trump balançou a cabeça duas vezes em negação e cruzou os braços.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

No entanto, embora Merchán tenha alertado sobre a pena de prisão em seu aviso mais direto e direto, ele também deixou claro suas reservas sobre uma medida que ele descreveu como um “último recurso”.

“O último que quero fazer é te colocar na prisão”, disse Merchán. “Você é o ex-presidente dos Estados Unidos e possivelmente também o próximo presidente. Há muitas razões pelas quais o encarceramento é verdadeiramente um último recurso para mim. Dar esse passo seria prejudicial para estes procedimentos”.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

A última violação surge de uma entrevista em 22 de abril com o canal de televisão Real America’s Voice, na qual Trump criticou a rapidez com que o júri foi selecionado e afirmou, sem provas, que estava repleto de democratas.

Os promotores continuam procurando por sua testemunha principal, Cohen, que se declarou culpado de acusações federais relacionadas aos pagamentos de dinheiro para manter seu silêncio. Espera-se que ele seja submetido a um interrogatório contundente pelos advogados de defesa que buscam minar sua credibilidade perante os jurados.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Trump, o suposto candidato presidencial do Partido Republicano, está sendo acusado de 34 crimes graves por falsificação de registros comerciais relacionados aos pagamentos de dinheiro para manter seu silêncio, mas se declarou inocente e negou ter agido mal. O julgamento é o primeiro de seus quatro casos penais a ser apresentado a um júri.

(com informações da AP)

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

 

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO
Escrito Por

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Destaques

'Temer e Bolsonaro fizeram no Brasil o que Netanyahu está fazendo na Faixa de Gaza', afirma Lula

Política

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) comparou os feitos dos governos do Brasil pós-impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) como “o que o...

Política

Durante discurso, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta terça-feira (23) que “tudo no mundo é uma decisão política” e citou,...

calor no brasil calor no brasil

Mundo

No último domingo (21), o mundo registrou o dia mais quente já documentado, de acordo com o observatório europeu Copernicus. A temperatura média global...

Ministério da Saúde Oropouche Acre Ministério da Saúde Oropouche Acre

Saúde

O Ministério da Saúde está apurando três mortes suspeitas de febre oropouche no Brasil: uma em Santa Catarina (SC) e duas na Bahia (BA)....

Alesp privatização Sabesp Alesp privatização Sabesp

Economia

O Governo de São Paulo concluiu, nesta terça-feira (23), o processo de privatização da Sabesp com uma cerimônia na B3. Este desfecho segue um...

Biden Biden

Mundo

O presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, anunciou na tarde desta terça-feira (23) fará um pronunciamento sobre sua decisão de abandonar a corrida...

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Brasil

Brasil

Um homem de 31 anos foi resgatado em estado crítico na manhã desta terça-feira após pular do terceiro andar de um prédio na Ponta...

São Paulo

Dois policiais militares das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) foram formalmente acusados de homicídio no âmbito da Operação Escudo, realizada em julho do...

São Paulo São Paulo

São Paulo

Um levantamento realizado pela TV Globo com base em dados da Secretaria da Segurança Pública (SSP) revelou que a Grande São Paulo teve pelo...

nubank nubank

Ciência e Tecnologia

Nesta terça-feira (23), a Polícia Civil deflagrou uma operação em Patos, no Sertão da Paraíba, com o objetivo de desmantelar uma organização criminosa especializada...

Olimpíada de 2016 Olimpíada de 2016

Esportes

Oito anos após a realização dos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro, um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) revela que a...

Brasil

A Associação Orff-Schulwerk Argentina (AAOrff) saiu em defesa da professora de música que foi filmada imitando macacos no centro do Rio de Janeiro, no...

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO
Facebook
X\Twetter
LinkedIn
WhatsApp
Threads
Telegram
Reddit