domingo, 11 de abril de 2021

Equipe da OMS em Wuhan sai da quarentena para estudo das origens de COVID

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 1

WUHAN, China (AP) – Uma equipe da Organização Mundial da Saúde saiu da quarentena na cidade chinesa de Wuhan na quinta-feira (28) para iniciar o trabalho de campo em uma missão de averiguação sobre as origens do vírus que causou a pandemia COVID-19.

Os pesquisadores, que foram obrigados a isolar-se por 14 dias após chegar à China, deixaram seu hotel de quarentena com suas bagagens – incluindo pelo menos quatro esteiras de ioga – no meio da tarde e se dirigiram para outro hotel.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 2

A missão tornou-se politicamente carregada, já que a China busca evitar a culpa por supostos erros em sua resposta inicial ao surto. Uma grande questão é para onde o lado chinês permitirá que os pesquisadores vão e com quem eles poderão conversar.

Barreiras amarelas bloqueavam a entrada do hotel, mantendo a mídia à distância. Antes dos pesquisadores embarcarem no ônibus, trabalhadores usando roupas de proteção e protetores faciais puderam ser vistos carregando suas bagagens, incluindo dois instrumentos musicais e um haltere.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 3

A equipe do hotel acenou para os pesquisadores, que usavam máscaras faciais. O motorista do ônibus usava uma roupa de proteção branca de corpo inteiro. Eles dirigiram cerca de 30 minutos até um hotel Hilton à beira do lago.

O ex-funcionário da OMS, Keiji Fukuda, que não faz parte da equipe em Wuhan, alertou contra a expectativa de qualquer avanço, dizendo que pode levar anos antes que qualquer conclusão firme possa ser feita sobre a origem do vírus.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 4

“Já passou bem mais de um ano quando tudo começou”, disse ele no início deste mês. “Muitas das evidências físicas terão desaparecido. As memórias das pessoas são imprecisas e provavelmente os layouts físicos de muitos lugares serão diferentes do que eram. ”

Entre os lugares que eles podem visitar estão o Mercado de Frutos do Mar de Huanan, que esteve ligado a muitos dos primeiros casos, bem como institutos de pesquisa e hospitais que trataram de pacientes no auge do surto.

Não foi divulgado se eles vão deixar Wuhan. Uma possível fonte do vírus são os morcegos em cavernas na província rural de Yunnan, cerca de 1.600 quilômetros (1.000 milhas) a sudoeste de Wuhan.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, disse que os especialistas manterão conversas, visitas e inspeções na China para realizar trocas e cooperação de rastreamento de vírus. Ele não forneceu detalhes.

A missão só aconteceu depois de uma disputa considerável entre os dois lados, que levou a uma rara reclamação da OMS de que a China estava demorando muito para fazer os arranjos finais.

A China, que se opõe fortemente a uma investigação independente que não pode controlar totalmente, disse que o assunto é complicado e que a equipe médica chinesa está preocupada com novos aglomerados de vírus em Pequim, Xangai e outras cidades.

Embora a OMS tenha sido criticada no início, especialmente pelos EUA, por não ser crítica o suficiente da resposta chinesa, recentemente acusou a China e outros países de se moverem muito lentamente no início do surto, obtendo uma rara admissão do lado chinês de que poderia ter sido melhor.

No geral, porém, a China defendeu veementemente sua resposta, possivelmente por preocupação com os custos de reputação ou mesmo financeiros, caso fosse considerada insuficiente.

As autoridades chinesas e a mídia estatal também tentaram lançar dúvidas sobre se o vírus começou na China. A maioria dos especialistas acredita que veio de morcegos, possivelmente do sudoeste da China ou de áreas vizinhas do Sudeste Asiático, antes de ser passado para outro animal e depois para humanos.

A pesquisa de origens tentará determinar onde e exatamente como isso aconteceu.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, expressou preocupação na quarta-feira com o que chamou de “desinformação” vinda da China, acrescentando que os EUA apóiam uma investigação internacional robusta.

“É fundamental que cheguemos ao fundo dos primeiros dias da pandemia na China”, disse ela.

Zhao respondeu que qualquer especulação negativa e interpretação politizada da missão é inadequada.

“Esperamos que os EUA possam trabalhar com o lado chinês de maneira responsável, respeitar os fatos e a ciência e respeitar o trabalho árduo da equipe internacional de especialistas em rastrear a origem do vírus”, disse ele, “para que possam conduzir pesquisas científicas pesquisa sobre rastreamento de vírus sem qualquer interferência política. ”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 5
Gazeta Brasil
Gazeta Brasilhttps://www.gazetabrasil.com.br
A Gazeta Brasil é um jornal brasileiro diário editado na cidade de São Paulo. Publica textos, fotos, vídeos no formato digital. Faz parte do grupo AZComm Comunicação e Eventos.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Últimos artigos