Nos siga em

O QUE ESTÁ PROCURANDO

Paraíba piso nacional enfermagem
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Justiça

STF inicia julgamento de recursos sobre piso salarial da enfermagem nesta sexta-feira (8)

O Supremo Tribunal Federal (STF) iniciou nesta sexta-feira (8) o julgamento virtual dos recursos apresentados por diversas entidades sobre a decisão relacionada ao piso nacional de enfermagem nos setores público e privado.

Os ministros estão analisando os “embargos de declaração”, um tipo de recurso utilizado para questionar pontos que não ficaram claros na decisão do tribunal. O julgamento ocorrerá de forma virtual, entre os dias 8 e 18 de dezembro, sem discussão presencial, com os ministros votando pelo sistema do STF. Caso haja um pedido de vista, o julgamento será suspenso. Se ocorrer um pedido de destaque, a análise será levada ao plenário físico da Corte.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Entre os questionamentos apresentados, há pontos como a criação de regras para a implantação do piso, a fórmula adotada na contagem de votos para se chegar à conclusão do julgamento, e a vinculação do pagamento à jornada de trabalho da categoria.

O julgamento é aguardado com expectativa por representantes da categoria, que defendem a manutenção da lei aprovada pelo Congresso Nacional, que estabelece um piso salarial de R$ 4.750 para enfermeiros, R$ 3.325 para técnicos de enfermagem e R$ 2.375 para auxiliares de enfermagem.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O lado patronal, representado pela Confederação Nacional da Saúde, Hospitais e Estabelecimentos e Serviços (CNSaúde), defende a revisão da lei, alegando que ela pode gerar desemprego e aumento de custos para os serviços de saúde.

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) também questiona a lei, alegando que ela não leva em conta a capacidade financeira dos entes subnacionais.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) defende a manutenção da lei, mas pede que sejam esclarecidos alguns pontos, como a forma de aplicação do piso no setor privado.

Entenda:

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Em julho, o STF concluiu o julgamento sobre a validade do piso e estabeleceu uma série de condições para o pagamento.

No setor público, estados e municípios devem implementar o mínimo salarial de acordo com repasses da União. No setor privado, o piso deve ser estabelecido depois de negociação coletiva entre patrões e empregados e deve ser proporcional nos casos de carga horária inferior a 8 horas por dia ou 44 horas semanais.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

A lei que criou o piso foi aprovada pelo Congresso e sancionada pelo então presidente Jair Bolsonaro (PL) em agosto de 2022. O pagamento foi suspenso em decisão liminar (provisória) individual do ministro Roberto Barroso. Ele determinou que fossem esclarecidos os impactos econômicos da medida.

O pagamento só foi liberado pelo STF em maio deste ano, depois da aprovação pelo Legislativo de fontes de custeio para a medida.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Depois da definição do STF sobre o setor privado, representantes de trabalhadores e de patrões passaram a negociar formas de aplicar o piso em hospitais e clínicas de saúde privadas, em mediação no Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Depois de uma rodada de propostas, rejeitadas pela categoria, os trabalhadores ficaram de apresentar uma contraproposta até segunda-feira (4).

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O que diz o Senado:

No recurso apresentado ao STF, o Senado contesta pontos da decisão do Supremo e pede para que seja restabelecida integralmente a lei que aprovou o piso da categoria.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Um dos argumentos é o de que não houve maioria de votos na Corte para as definições adotadas com o julgamento, como a que impôs o dever de negociação coletiva no setor privado. O recurso afirma que as condições determinadas pelos ministros representam “atividade legislativa” do Poder Judiciário.

Para o Senado, a escolha dos magistrados de separar como e quando cada setor da categoria receberá o piso “caracteriza verdadeira atividade legislativa por parte do Poder Judiciário” no lugar do processo havido no Congresso.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Conforme a Casa Alta, o Supremo substituiu “todos os debates realizados no âmbito do Congresso Nacional, os quais contaram com a ampla participação dos atores envolvidos, seja dos entes subnacionais, seja dos trabalhadores da saúde, seja das entidades privadas do setor, e que culminaram na melhor solução possível para a implementação do piso da enfermagem”.

Outro ponto contestado pelo Senado é a forma de definição tomada pela Corte sobre os enfermeiros do setor privado.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Houve três correntes diferentes apresentadas pelos ministros, e nenhuma delas formou maioria. O ministro Roberto Barroso entendeu que deveria prevalecer o voto médio entre as propostas.

Para o Senado, não há “fundamento jurídico válido” para prevalecer a posição média dos votos.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO
Escrito Por

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Destaques

uspeitos de matar PM e filha em S

São Paulo

A Polícia Civil de São Paulo identificou os três suspeitos de envolvimento nas mortes do policial militar Anderson de Oliveira Valentim, de 46 anos,...

Capa

A Avenida Paulista, em São Paulo, foi tomada por milhares de apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) neste domingo (25) em um ato em defesa...

Brasil

A Secretaria da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed) do Rio Grande do Norte está oferecendo uma recompensa de R$ 15 mil por...

Últimas Notícias

Novos dados divulgados  pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, 23, apontam um crescimento significativo no número de pessoas vivendo em...

Brasil

Apesar do progresso nas últimas décadas, o Brasil ainda enfrenta um desafio significativo no quesito saneamento básico: mais de 1,2 milhão de pessoas (0,6%...

Ciência e Tecnologia

Um módulo espacial americano não tripulado pousou com sucesso na Lua na quinta-feira (22), marcando a primeira vez que uma nave espacial dos EUA...

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Brasil

Últimas Notícias

Empresário Allan Barros, conhecido nas redes sociais como Allan Deivid de Barros, foi preso em Curitiba durante a Operação Fast da Polícia Federal, que...

São Paulo

Uma ação rápida da Polícia Militar resultou na recuperação de 1,5 tonelada de alimentos roubados em Carapicuíba na manhã desta quarta-feira (28). A carga,...

Brasil

Edilson Barbosa dos Santos, conhecido como Orelha, foi preso nesta quarta-feira (28) em Santa Cruz da Serra, Duque de Caxias, pela Polícia Federal e...

Brasil

Um membro do Comando Vermelho (CV) que estava foragido da Justiça conseguiu enganar as autoridades mesmo após sua prisão. Levi dos Santos da Silva,...

Brasil

 Yasmin dos Santos Oliveira, de apenas 5 anos, morreu após cair de uma van escolar em movimento em Ipirá, na Bahia na tarde de...

Alexandre Nardoni Alexandre Nardoni

São Paulo

Condenado a mais de 30 anos de prisão pela morte da filha Isabella, Alexandre Nardoni pode sair da prisão a partir de abril para...

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO