quarta-feira, 12 de maio de 2021

EUA expulsam diplomatas russos, impõem nova rodada de sanções

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 1

(AP) – O governo Biden anunciou na quinta-feira a expulsão de 10 diplomatas russos e sanções contra dezenas de pessoas e empresas, enquanto tentava responsabilizar o Kremlin pela interferência na eleição presidencial do ano passado e pelo hackeamento de agências federais.

As sanções também visam a capacidade de Moscou de tomar dinheiro emprestado, proibindo as instituições financeiras dos EUA de comprar títulos russos diretamente de instituições russas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 2

As ações, prenunciadas por semanas pelo governo, representam as primeiras medidas retaliatórias anunciadas contra o Kremlin pelo hack, conhecido familiarmente como violação SolarWinds. Nessa intrusão, acredita-se que os hackers russos tenham infectado softwares amplamente usados ​​com códigos maliciosos, permitindo-lhes acessar as redes de pelo menos nove agências no que as autoridades americanas acreditam ser uma operação de coleta de inteligência destinada a minerar segredos do governo.

Além desse hack, autoridades americanas alegaram no mês passado que o presidente russo, Vladimir Putin, autorizou operações de influência para ajudar Donald Trump em sua tentativa malsucedida de reeleição como presidente, embora não haja evidências de que a Rússia ou qualquer outra pessoa mudou os votos ou manipulou o resultado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 3

A Rússia denunciou rapidamente as ações e alertou para retaliação.

As medidas anunciadas na quinta-feira incluem sanções a seis empresas russas que apóiam as atividades cibernéticas do país, além de sanções a 32 indivíduos e entidades acusadas de tentar interferir nas eleições presidenciais do ano passado, inclusive espalhando desinformação. Os EUA também sancionaram oito pessoas e entidades ligadas à ocupação russa da Crimeia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 4

Os 10 diplomatas expulsos incluem representantes dos serviços de inteligência russos, disse o governo Biden.

Outras medidas também são esperadas, embora o governo não deva anunciá-las. As autoridades têm avisado que sua resposta à Rússia seria de formas visíveis e invisíveis.

“Essas ações têm como objetivo responsabilizar a Rússia por suas ações imprudentes. Agiremos com firmeza em resposta às ações russas que causam danos a nós ou a nossos aliados e parceiros ”, disse o secretário de Estado, Antony Blinken, em um comunicado.

Mas, ele acrescentou, “Sempre que possível, os Estados Unidos também buscarão oportunidades de cooperação com a Rússia, com o objetivo de construir uma relação mais estável e previsível, consistente com os interesses dos EUA”.

A Casa Branca também disse que Biden está usando canais diplomáticos, militares e de inteligência para responder a relatos de que a Rússia encorajou o Taleban a atacar as tropas americanas e aliadas no Afeganistão com base nas “melhores avaliações” da comunidade de inteligência.

Relatos de supostas “recompensas” surgiram no ano passado, com a administração Trump sendo criticada por não levantar a questão diretamente com a Rússia. A Casa Branca não confirmou publicamente os relatórios. “A segurança e o bem-estar do pessoal militar dos EUA, e de nossos aliados e parceiros, é uma prioridade absoluta dos Estados Unidos”, disse a Casa Branca na quinta-feira.

Depois que as sanções foram anunciadas, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, advertiu que “tal comportamento agressivo sem dúvida desencadeará uma retaliação resoluta”.

“Washington deve perceber que terá de pagar um preço pela degradação dos laços bilaterais”, disse Zakharova, acrescentando que “a responsabilidade por isso recairá inteiramente sobre os Estados Unidos”.

Ela disse que o ministério convocou o embaixador dos EUA para uma “conversa difícil”, mas não disse imediatamente que medidas a Rússia tomará.

As sanções enviam uma mensagem clara de retribuição à Rússia e têm como objetivo servir como um impedimento. Mas eles certamente agravarão uma relação já tensa entre os EUA e a Rússia.

O presidente Joe Biden disse a Putin nesta semana em sua segunda convocação para “diminuir as tensões” após uma escalada militar russa na fronteira com a Ucrânia, e disse que os EUA “agiriam com firmeza na defesa de seus interesses nacionais” em relação às intrusões russas e interferência eleitoral.

Em uma entrevista à televisão no mês passado, Biden respondeu “sim” quando questionado se achava que Putin era um “assassino”. Ele disse que os dias em que os Estados Unidos “rolavam” para Putin haviam acabado. Posteriormente, Putin chamou de volta seu embaixador nos Estados Unidos e mencionou a história dos Estados Unidos de escravidão e massacre de nativos americanos e o bombardeio atômico do Japão na Segunda Guerra Mundial.

Não ficou claro se as ações dos EUA realmente resultariam em mudança de comportamento, especialmente porque medidas anteriores dos EUA não conseguiram pôr fim ao hackeamento russo. O governo Obama expulsou diplomatas dos EUA em 2016 em resposta à interferência nas eleições presidenciais daquele ano. E embora Trump frequentemente relutasse em criticar Putin, seu governo também expulsou diplomatas em 2018 pelo suposto envenenamento pela Rússia de um ex-oficial de inteligência na Grã-Bretanha.

As autoridades americanas ainda estão lutando contra os efeitos colaterais da intrusão da SolarWinds, que afetou agências como os departamentos de Tesouro, Justiça, Energia e Segurança Interna, e ainda estão avaliando quais informações podem ter sido roubadas. A violação expôs vulnerabilidades na cadeia de abastecimento, bem como fragilidades nas próprias defesas cibernéticas do governo federal.

As ações representariam a segunda grande rodada de sanções impostas pelo governo Biden contra a Rússia. No mês passado, os EUA sancionaram sete oficiais russos de médio e alto escalão, junto com mais de uma dúzia de entidades governamentais, por causa de um ataque quase fatal de agente nervoso ao líder da oposição Alexei Navalny e sua subsequente prisão.

—-

O escritor da Associated Press Zeke Miller em Washington, Vladimir Isachenkov em Moscou e o escritor diplomático da AP Matthew Lee em Cabul contribuíram.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 5
Gazeta Brasil
Gazeta Brasilhttps://www.gazetabrasil.com.br
A Gazeta Brasil é um jornal brasileiro diário editado na cidade de São Paulo. Publica textos, fotos, vídeos no formato digital. Faz parte do grupo AZComm Comunicação e Eventos.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Últimos artigos