Nos siga em

O QUE ESTÁ PROCURANDO

Política

STF forma maioria para ampliar regra do foro privilegiado, suspenso julgamento por pedido de vista

O Supremo Tribunal Federal (STF) alcançou uma maioria de votos nesta sexta-feira (11) favorável à expansão da aplicação da regra do foro privilegiado para julgar políticos na Corte. No entanto, o julgamento foi novamente suspenso devido a um pedido de vista do ministro André Mendonça, que solicitou mais tempo para analisar o caso. O pedido de vista foi concedido por um prazo de 90 dias.

Com essa decisão, crimes praticados durante o exercício do cargo ou relacionados a ele poderão ser investigados no âmbito do Supremo, mesmo após o término do mandato ou outras circunstâncias como renúncia, não reeleição ou cassação.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

A proposta de modificação na regra está em discussão no plenário virtual do Supremo, onde os votos são registrados eletronicamente. Os ministros têm até o dia 19 de abril para apresentarem seus votos.

A sugestão de alteração na interpretação foi apresentada pelo ministro Gilmar Mendes, relator de dois casos que envolvem políticos.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Um dos casos em questão diz respeito a um pedido do senador Zequinha Marinho (Podemos-PA) para que uma denúncia contra ele, inicialmente apresentada à Justiça Federal, seja remetida ao STF. O outro trata-se de um inquérito em que a ex-senadora Rose de Freitas (MDB-ES) busca encerrar investigações sobre corrupção passiva, fraude em licitação, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Além do ministro Gilmar, votaram a favor da alteração da regra os ministros Cristiano Zanin, Flávio Dino, Dias Toffoli, Alexandre de Moraes e o presidente do STF, Luís Roberto Barroso.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Ao retomar o julgamento, Barroso afirmou que o deslocamento das investigações entre instâncias judiciais devido a manobras políticas prejudicava o andamento das investigações, causando morosidade e disfuncionalidade no sistema de justiça criminal. Ele ressaltou que essa prática alimentava a manipulação da jurisdição pelos réus.

A nova tese proposta por Mendes nos dois casos estabelece que a prerrogativa de foro para julgamento de crimes relacionados ao cargo político persiste mesmo após o término do mandato, mesmo que o inquérito ou a ação penal sejam iniciados após o fim do exercício do cargo.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Atualmente, o Supremo possui cerca de 50 inquéritos em andamento. Há avaliação entre os ministros de que a modificação da regra pode gerar questionamentos sobre o foro competente para julgar os casos.

Os ministros argumentam que a nova regra evitará a transferência constante das investigações entre instâncias, garantindo um desfecho mais rápido aos processos.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Decisão de 2018
Em 2018, o plenário do Supremo restringiu o foro privilegiado, decidindo que apenas crimes cometidos durante o mandato e relacionados ao exercício do cargo devem ser julgados na Corte.

Com essa decisão, processos criminais referentes a crimes anteriores ao mandato ou não relacionados à função devem ser encaminhados à primeira instância da Justiça. Quando o político deixa o cargo, os casos são remetidos a outra instância, permanecendo no Supremo apenas as ações em estágio avançado, com o réu já intimado para apresentar sua defesa final.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Anteriormente, inquéritos ou ações penais envolvendo parlamentares eram automaticamente direcionados ao STF, mesmo que os fatos investigados ocorressem antes do mandato.

Votos
O ministro Gilmar Mendes, decano do STF, argumentou que a restrição do foro privilegiado foi baseada em argumentos equivocados e defendeu a retomada do sistema anterior.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Segundo Mendes, o entendimento atual reduz indevidamente o alcance da prerrogativa de foro, distorcendo seus fundamentos e prejudicando os objetivos do legislador. Ele também afirmou que o sistema atual é contraproducente, gerando flutuações de competência e instabilidade no sistema de Justiça.

Mendes destacou que o foro privilegiado é uma prerrogativa do cargo e não um privilégio pessoal, devendo ser mantido mesmo após o término da função, especialmente em um contexto de sociedade polarizada e radicalizada.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

O ministro Cristiano Zanin enfatizou que a competência de julgamento é determinada no momento da prática do crime, mesmo que o réu não esteja mais no cargo quando o caso é analisado. Ele argumentou que essa permanência da jurisdição para julgar crimes cometidos durante o exercício do cargo contribui para estabilizar o foro adequado e evitar manipulações e manobras.

O ministro Flávio Dino criticou o atual sistema do foro privilegiado, que, segundo ele, permite a migração contínua de inquéritos e processos entre diferentes tribunais, causando atrasos e controvérsias jurisprudenciais. Ele defendeu uma regra mais objetiva e coerente com a Constituição para evitar esses problemas.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Por sua vez, o ministro Alexandre de Moraes argumentou que a alteração das regras do foro privilegiado nos últimos anos não resultou em uma maior celeridade nos processos e julgamentos. Ele defendeu um retorno parcial ao critério da contemporaneidade entre o crime e o mandato, considerando-o razoável e proporcional.

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO
Escrito Por

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Destaques

frio brasil chuva

Brasil

O Brasil se prepara para receber a primeira onda de frio do ano, de acordo com a previsão divulgada pelo instituto de meteorologia Climatempo....

André Pedroni Motorista André Pedroni Motorista

São Paulo

Na tarde desta quarta-feira (22), o condutor do carro de luxo envolvido no atropelamento de um motociclista em Barueri, na Grande São Paulo, compareceu...

Brasil

Entre quinta-feira (23) e sexta-feira (24), a formação de um ciclone extratropical no oceano, próximo à costa gaúcha, irá acentuar o contraste térmico entre...

Brasil

A denúncia apresentada pelo Ministério Público à Justiça sobre o sequestro da advogada Anic Almeida Peixoto Herdy, de 55 anos, em Petrópolis, revela um...

Vídeos

Em um desabafo emocionado nas redes sociais na última segunda-feira (20), Alexandre Correa, ex-marido da apresentadora Ana Hickmann, acusou o jornalista Leo Dias de...

estudantes apanham na alesp estudantes apanham na alesp

São Paulo

Seis estudantes que se envolveram em tumulto na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) durante protesto contra o projeto de lei sobre a implementação...

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO

Brasil

Rio Grande do Sul

Brasil

As adversidades causadas por temporais e enchentes no Rio Grande do Sul desde 29 de abril resultaram em um total de 162 mortes, conforme...

Brasil

O casal da campanha AME Jonatas, Aline e Renato Openkoski, foi preso nesta quarta-feira (22) em Joinville, Santa Catarina, após condenação. Os réus foram...

Brasil

A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) aprovou, nesta terça-feira (21), o projeto de lei que permite a implementação de escolas cívico-militares nas redes...

Prisao Prisao

Brasil

Uma mulher de 27 anos foi detida em flagrante na terça-feira (22) pela Polícia Civil local sob acusação de assassinar sua própria filha, uma...

vereadora Tainá de Paula vereadora Tainá de Paula

Brasil

Na noite de terça-feira (21), a vereadora Tainá de Paula (PT) passou por um momento de tensão ao ser alvo de uma tentativa de...

Brasil

No final da tarde desta quarta-feira (22), os moradores de Pelotas, no Sul do RS, foram surpreendidos por um forte temporal que resultou em...

CONTINUE LENDO APÓS O ANÚNCIO
Facebook
X\Twetter
LinkedIn
WhatsApp
Threads
Telegram
Reddit