Foto: reprodução

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, afirmou nesta terça-feira (28) que será “ótimo” se o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) for mantido na pasta. Mas acrescentou que, se não for possível, “paciência”.

Na corrida contra o tempo, o receio do Palácio do Planalto é o de que, com uma mudança no tópico sobre o Coaf, a MP caduque e o governo tenha de recriar ministérios extintos, como o do Trabalho e o da Justiça. 

Em janeiro, o presidente Jair Bolsonaro editou uma medida provisória (MP) para reestruturar o governo. A MP já foi aprovada pela Câmara e pode ser analisada pelo Senado ainda nesta terça-feira.

Quando editou a medida, Bolsonaro transferiu o Coaf do extinto Ministério da Fazenda (atual pasta da Economia) para o Ministério da Justiça. Durante a tramitação da MP, porém, os parlamentares decidiram desfazer a mudança.

“Esta é uma questão em aberto, vai decidir pelo parlamento. Se for possível o parlamento manter [o Coaf no Ministério da Justiça], ótimo. Se não for, paciência. Faz parte, como disse lá, do jogo democrático, não é? Não somos ditadores nem temos a pretensão de sê-lo”, afirmou Sérgio Moro nesta terça.