As falas do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes de que o “Exército está se associando a genocídio” na pandemia voltou a acirrar uma crise política entre os poderes Executivo e o Judiciário.

Segundo a CNN Brasil, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e os comandantes das três Forças, Edson Pujol (Exército), Ilques Barbosa (Marinha) e Antonio Carlos Moretti (Aeronáutica), passaram as últimas 24 horas preparando a melhor reação a Gilmar.

Uma primeira nota foi elaborada divulgada pelo Ministério da Defesa, no entanto, todos a avaliaram como muito branda e uma segunda nota passou a ser exigida por Fernando Azevedo neste domingo (12). De acordo com a emissora amerciana, nela, Gilmar Mendes é citado nominalmente. As forças manifestam “repúdio” a sua declaração, e consideram sua fala um “ataque gratuito” ao Exército Brasileiro.

Ainda conforme informação da CNN, uma operação nos bastidores começou a ser feita. A cúpula das Forças Armadas entrou em contato com outros integrantes do Judiciário pra externar a indignação e solicitaram que o recado fosse passado a Gilmar.