quarta-feira, 21 de abril de 2021

UE ameaça bloquear a exportação de vacinas

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 1

(Reuters) – A luta da Europa para garantir o fornecimento da vacina COVID-19 se intensificou na quinta-feira, quando a União Europeia alertou as empresas farmacêuticas como a AstraZeneca que usaria todos os meios legais ou até mesmo bloquearia as exportações, a menos que concordassem em entregar as vacinas como prometido.

A UE, cujos Estados-membros estão muito atrás de Israel, Reino Unido e Estados Unidos na distribuição de vacinas, está lutando para obter suprimentos, enquanto as maiores farmacêuticas do Ocidente atrasam as entregas ao bloco devido a problemas de produção.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 2

Como os centros de vacinação na Alemanha, França e Espanha cancelaram ou atrasaram as consultas, a UE repreendeu publicamente a farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca por não entregar e até perguntou se poderia desviar os suprimentos da Grã-Bretanha.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse em uma carta a quatro líderes da UE que a UE deveria explorar meios legais para garantir o fornecimento de vacinas COVID-19 que contratou para comprar, caso as negociações com as empresas sobre atrasos nas entregas não tenham sucesso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 3

“Se nenhuma solução satisfatória for encontrada, acredito que devemos explorar todas as opções e fazer uso de todos os meios legais e medidas de execução à nossa disposição nos termos dos Tratados”, disse Michel na carta de 27 de janeiro.

As regras da UE sobre o monitoramento e autorização de exportações de vacinas COVID-19 no bloco de 27 países podem levar ao bloqueio das exportações caso violem os contratos existentes entre o fabricante da vacina e a UE, disse um funcionário da UE.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 4

A Comissão Europeia deve definir os critérios sob os quais essas exportações serão avaliadas na sexta-feira.

CRUNCH DE VACINA

A campanha de vacinação em massa mais rápida da história está alimentando tensões em todo o mundo, à medida que grandes potências compram doses a granel e nações mais pobres tentam navegar em um campo minado financeiro e diplomático para coletar os suprimentos que sobram.

Israel é de longe o líder mundial em distribuição de vacinas per capita, seguido pelos Emirados Árabes Unidos, Reino Unido, Bahrein e Estados Unidos. Atrás deles estão Itália, Alemanha, França, China e Rússia.

A União Africana (UA) garantiu mais 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca COVID-19, disse um líder regional de saúde na quinta-feira, em um esforço para imunizar 60% da população do continente em três anos.

Sob o fogo da UE, o CEO da AstraZeneca, Pascal Soriot, disse que a UE estava atrasada para fechar um contrato de fornecimento, de forma que a empresa não teve tempo suficiente para resolver os problemas de produção em uma fábrica de vacinas administrada por um parceiro na Bélgica.

As tensões aumentaram já que a Pfizer e a AstraZeneca, sediada em Nova York, com sede em Cambridge, Inglaterra, tiveram problemas de produção.

A Grã-Bretanha, que repetidamente elogiou sua liderança na corrida para o lançamento da vacina desde que deixou a órbita da UE em 1º de janeiro, disse que suas entregas devem ser honradas.

“Acho que precisamos ter certeza de que o suprimento de vacina que foi comprado e pago, adquirido para aqueles no Reino Unido, seja entregue”, disse o Ministro do Gabinete Michael Gove à Rádio LBC.

Apenas um dia antes da decisão dos reguladores europeus sobre a aprovação da vacina da farmacêutica, o comitê de vacinas da Alemanha disse que a vacina da AstraZeneca só deveria ser administrada a pessoas com idade entre 18 e 64 anos.

“Atualmente, não há dados suficientes disponíveis para avaliar a eficácia da vacina a partir dos 65 anos de idade”, disse o comitê, também conhecido como Stiko, em um projeto de resolução disponibilizado pelo ministério da saúde na quinta-feira.

Johnson disse que as autoridades de saúde britânicas acreditam que a vacina é segura e funciona em todas as faixas etárias.

NOMEAÇÕES CANCELADAS

Na região de Hauts-de-France, no norte da França, a segunda região mais populosa da França, vários centros de vacinação não estavam mais marcando para uma primeira injeção. Em várias outras regiões da França, algumas plataformas de agendamento online fecharam as opções de reserva.

A região espanhola de Madri suspendeu as primeiras vacinações pelo menos nesta semana e na próxima e está usando as poucas doses de que dispõe para administrar a segunda injeção em quem tomou a primeira, disse o vice-chefe do governo regional, Ignacio Aguado.

O estado mais populoso da Alemanha, North Rhine-Westphalia, adiou na semana passada a abertura de seus centros de vacinação para 8 de fevereiro, enquanto o estado de Brandenburg também teve que adiar as consultas de vacinação originalmente programadas para o final de janeiro devido a atrasos nas entregas.

A AstraZeneca está preparada para publicar o contrato de entrega que tem com a União Europeia e pretende na sexta-feira apresentar propostas à Comissão Europeia sobre quais partes sensíveis serão apagadas, informou o Frankfurter Allgemeine.

O jornal citou uma fonte da UE dizendo que, embora a AstraZeneca não seja capaz de entregar os 80 milhões de doses esperadas para o primeiro trimestre, os volumes devem exceder significativamente os 31 milhões de doses que haviam sido relatados anteriormente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 5
Gazeta Brasil
Gazeta Brasilhttps://www.gazetabrasil.com.br
A Gazeta Brasil é um jornal brasileiro diário editado na cidade de São Paulo. Publica textos, fotos, vídeos no formato digital. Faz parte do grupo AZComm Comunicação e Eventos.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Últimos artigos