Foto: Bild

Críticos às medidas de isolamento adotado pela em vários países, especialistas alemães afirmaram que o lockdown “foi um grande erro” no país europeu. 

O presidente do Tribunal Constitucional alemão, Hans-Jürgen Papier, deu  ao  jornal “Bild” a seguinte declaração: “Foi o equilíbrio entre a proteção da vida e saúde por um lado e a proteção dos interesses legais com estatuto constitucional do outro. Em detalhes, isso pode ser uma questão de apostas do governo federal e dos estados federais. “No entanto, seria necessário um” debate parlamentar mais amplo e detalhado”, acrescentou Papier.

Por outro lado, o professor Stefan Homburg, ex-assessor do governo federal, comentou as restrições causadas pela pandemia. “Na Itália, a onda de corona foi pior que uma onda de gripe, na Alemanha, menos ruim. O governo federal e os estados federais cometeram um grande erro com o lockdown”, afirmou o economista. Como o dano aumentaria dia a dia, todas as interdições deveriam ser suspensas imediatamente. Estádios de futebol e restaurantes vazios não serviriam para ninguém. 
 
Patricia Riekel, jornalista alemã disse ser a favor do modo adotado pela Suécia:
 
“Eu não consideraria as medidas necessárias. Sou a favor da maneira sueca, das recomendações de distanciamento social e isolamento das pessoas do grupo de riscos, pedi que fiquem em casa” disse Riekel.
 
Para o filósofo de Munique Julian Nida-Rümelin, é “totalmente bizarro” que não se saiba quem foi infectado, quem é atualmente contagioso, mas está livre de sintomas. Ele também disse em uma entrevista ao  “Abendzeitung” : “O Covid-19 tem grandes números surgindo todos os dias que nos assustam e nos deixam perdidos (…). Você precisa categorizar esses números questionando. Quantas pessoas morrem no total na Alemanha todos os dias? Quantos ataques cardíacos? Quantos de câncer? Quantos estão com Covid-19? Pouco é contribuído para isso.”
 

Provavelmente só será possível – se é que há – prever se o lockdwn e suas medidas de proteção foram realmente necessários no grau de restrição obtido em alguns meses. Ainda não sabemos o suficiente sobre o Coronavírus * Sars-CoV-2. Se haverá uma segunda onda de vírus ainda, e isso não pode ser previsto pelos virologistas. 

 

Siga a Gazeta Brasil no Instagram