Advogado de Lula – STF

Segundo a Operação Lava Jato e o MPF, um dos advogados de Lula, Cristiano Zanin, teria intermediado a contratação de escritórios de advocacia para influenciar decisões e corromper agentes públicos em processos no Tribunal de Contas da União (TCU) e no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Ministério Público Federal (MPF), na denúncia da Operação E$quema S, realizada pela Operação Lava Jato na manhã desta quarta-feira (09), coloca Roberto Teixeira e Cristiano Zanin, advogados de Lula, como integrantes e comandantes do “núcleo duro” da organização criminosa que desviou R$ 151 milhões dos cofres do Sistema S (Sesc/Senac) e da Fecomércio do Rio.

“Entre os contratos vinculados à dupla está a contratação de Eduardo Martins, filho do atual presidente do STJ, Humberto Martins”, diz a operação.

A Operação E$quema S foi deflagrada hoje em paralelo ao início do trâmite de uma denúncia contra 26 pessoas, incluindo o ex-governador Sérgio Cabral, ex-primeira-dama Adriana Ancelmo (v. mais adiante), Ana Tereza Basílio, advogada de Wilson Witzel e vice-presidente da OAB-RJ, os advogados de Lula, Roberto Teixeira e Cristiano Zanin e o filho do presidente do STJ, Eduardo Martins. Eles viraram réus por 43 fatos criminosos, incluindo organização criminosa, estelionato, corrupção (ativa e passiva), peculato, tráfico de influência e exploração de prestígio (processo 5053463-93.2020.4.02.5101, na 7ª VFC-RJ).