Carlos Augusto de Moraes Afonso, vulgo Luciano Ayan, empresário ligado ao MBL que foi preso na Operação Juno Moneta reclamou da postura do movimento social. “Não se perdoa o que alguns deles fizeram”, disse ele no Twitter nesta terça-feira (4). 

Em liberdade, o empresário ligado ao MBL foi preso no mês passado, alvo da operação que mira suposta sonegação fiscal de mais de R$ 400 milhões e suposta lavagem de dinheiro por meio do Google e do Superchat do Youtube.

Veja a declaração de Ayan no Twitter:

“Há algumas pessoas no MBL que saíram em minha defesa. Outros foram coniventes. Já do Partido NOVO (e defendi vários membros de lá quando foram linchados em agosto de 2018) a solidariedade beirou a zero. Mas devo dizer que, neste caso, não me decepcionei. Não esperava nada.

Agradeço o apoio dos amigos que deixei no MBL. Mas vamos aos fatos: há vários ali que se omitiram e pouco fizeram diante da chuva de difamação lançada pela extrema-direita contra mim.

Não tenho nada contra o MBL. Fazia tempo que vinha me distanciando. Mas tenho amigos lá dentro (cada vez menos). Mas algumas figuras do MBL agiram de forma imperdoável. Não se perdoa o que alguns deles fizeram.”