Foto: Reprodução

Um dos cinco deputados que tiveram as atividades partidárias suspensas pelo comando do PSL, Filipe Barros, chamou o Delegado Waldir de “tresloucado” e disse que considera “ilegal e arbitrária” a decisão do ainda líder do partido na Câmara:

A atual liderança só está ainda de pé graças a coações, ameaças e represálias.”

Filipe continuou: “Ei, Delegado Waldir: não estou atacando o partido não, estou atacando o SENHOR mesmo” e listou:

-sua deslealdade na liderança com o que se prometeu ao eleitor na campanha,

-sua truculência e suas represálias com quem pensa diferente e

-sua instabilidade em relação ao Presidente Bolsonaro.

Siga a Gazeta Brasil no Instagram