domingo, 18 de abril de 2021

Em decisão histórica, justiça britânica decide que motoristas do Uber são funcionários

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 1

Os motoristas de Uber na Grã-Bretanha têm direito a benefícios como férias pagas e salário mínimo, decidiu nesta sexta-feira (19) a mais alta corte do país, em uma decisão que ameaça o modelo de negócios da empresa.

A decisão de que os motoristas devem ser classificados como “trabalhadores” e não autônomos é uma grande derrota para o gigante dos carros. E pode inspirar ações legais semelhantes contra outras empresas que dependem de trabalhadores de show, bem como influenciar tribunais em outros países que estão lutando com a questão, disseram os especialistas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 2

Os juízes decidiram por unanimidade que os motoristas do Uber são “trabalhadores” com direitos como salário mínimo, férias e descanso. As ações do Uber caíram até 1,5% no início do pregão em Nova York, antes de reduzir as perdas.

“Esta decisão irá reordenar fundamentalmente a economia de  “gig”, chamada no Brasil de “uberização”, e colocar um fim à exploração abundante de trabalhadores por meio de truques algorítmicos e de contrato”, disse James Farrar por e-mail. A dupla levou o Uber ao tribunal em 2016, que decidiu a seu favor. A decisão foi mantida em duas rodadas de recursos antes de chegar ao Supremo Tribunal Federal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 3

O Uber, com sede em San Francisco, que tem 65.000 motoristas ativos e 5 milhões de usuários regulares no Reino Unido, argumentou que Aslam e Farrar eram empreiteiros independentes. A empresa disse que respeitou a decisão do tribunal, que argumentou ser focada em um pequeno número de motoristas que usaram o aplicativo Uber em 2016.

“Desde então, fizemos algumas mudanças significativas em nosso negócio, guiados por motoristas em cada etapa do processo”, disse Jamie Heywood, gerente geral regional do Uber para a Europa do Norte e Leste Europeu, em um comunicado. “Isso inclui dar ainda mais controle sobre como eles ganham e fornecer novas proteções, como seguro grátis em caso de doença ou lesão”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 4

Heywood disse que a empresa consultaria seus motoristas do Reino Unido para entender as mudanças que eles desejam.

A decisão esclareceu que os motoristas são considerados em atividade quando estão logados no aplicativo Uber em seu território e prontos e dispostos a aceitar viagens, que poderiam ser utilizadas para calcular o salário mínimo e o feriado. O Uber argumentou que os motoristas só trabalhavam quando faziam uma viagem com um passageiro pagante.

Espera-se agora que o caso retorne ao tribunal do trabalho para decisões sobre indenização por perdas salariais de cerca de duas dezenas de motoristas envolvidos na ação original. Outros processos de 2.000 motoristas foram suspensos até a decisão. Os motoristas poderiam ter direito a uma média de 12.000 libras (US $ 16.800), estima o escritório de advocacia Leigh Day, que representa os motoristas.

Uber drive Conrad Delphine esperava receber licença remunerada depois de anos trabalhando sem férias ou auxílio-doença.

“Estou muito satisfeito. Isso significa que posso sair de férias sem ter que me preocupar em como pagar por isso ”, disse Delphine. “As coisas estão piores por causa do coronavírus. Se apanharmos o vírus, teremos direito ao subsídio de doença. Já era hora de termos um salário e condições decentes ”.

O Uber e outros serviços de carona baseados em aplicativos evitaram uma tentativa semelhante na Califórnia de classificar os motoristas como funcionários qualificados para benefícios e proteções de emprego. As empresas bancaram a Proposta 22, uma medida eleitoral que as isenta das leis de economia gigantesca do estado, mantendo os motoristas classificados como contratados independentes, capazes de definir seus próprios horários. Os eleitores aprovaram em novembro.

Os juízes britânicos citaram na sexta-feira uma série de fatores em sua decisão: o Uber define as tarifas e os termos do contrato e penaliza os motoristas que rejeitam ou cancelam viagens. Ele também usa as classificações de passageiros para controlar motoristas e minimiza as comunicações entre motoristas e passageiros, o que resulta no serviço sendo “rigidamente definido e controlado pelo Uber”.

“Os motoristas estão em uma posição de subordinação e dependência do Uber”, com pouca capacidade de melhorar sua posição econômica e a única maneira de aumentar seus ganhos é “trabalhar mais horas e, ao mesmo tempo, cumprir constantemente as medidas de desempenho do Uber”, disse o juiz George Leggatt, enquanto lia um resumo da decisão em uma transmissão ao vivo do tribunal.

O Uber disse que alguns recursos citados na decisão não existem mais, lembrando que desde 2017 os motoristas não enfrentam nenhuma repercussão por rejeitar várias viagens consecutivas.

Oferecer mais benefícios para seus motoristas provavelmente aumentará os custos para o Uber, que já estava lutando para lucrar e já havia enfrentado problemas regulatórios em Londres, onde as autoridades haviam buscado revogar sua licença. As mudanças podem aumentar as tarifas dos passageiros, dizem os especialistas.

A decisão também veio em um momento em que o coronavírus alterou o ambiente operacional do Uber. A empresa cortou mais de 6.000 empregos no ano passado, à medida que o vírus dizimou a demanda por viagens e, ao mesmo tempo, aumentou a demanda pelo serviço de entrega de comida Uber Eats. A decisão não afeta os mensageiros do Uber Eats.

Especialistas disseram que a decisão não tem um grande impacto imediato sobre outras empresas porque os juízes citaram práticas comerciais específicas do Uber, que no Reino Unido deve operar sob regulamentações específicas que regem os minicabs.

“Dito isso, embora não vá automaticamente fazer com que todos os trabalhadores da gig Economy tenham esses direitos, obviamente vai tornar as pessoas vivas para o potencial de trazer essas ações” no tribunal, disse Joe Aiston, um associado sênior do escritório de advocacia Taylor Wessing . “E você não ficaria surpreso ao ver mais reclamações contra outras empresas semelhantes.”

Aiston disse que a decisão pode servir de referência para tribunais e reguladores fora da Grã-Bretanha que lutam com questões semelhantes, como a Comissão Executiva da União Europeia, que deve publicar recomendações na próxima semana sobre como regulamentar os trabalhadores das plataformas econômicas.

Antes dessa revisão, o CEO do Uber, Dara Khosrowshahi, publicou um white paper nesta semana instando a UE a adotar leis que incentivem “oportunidades de ganho flexíveis e decentes” e sugeriu que eles poderiam adotar uma legislação semelhante à da Califórnia, junto com outras idéias, como um fundo de benefícios portátil.

*Com AP e Bloomberg

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 5
Gazeta Brasil
Gazeta Brasilhttps://www.gazetabrasil.com.br
A Gazeta Brasil é um jornal brasileiro diário editado na cidade de São Paulo. Publica textos, fotos, vídeos no formato digital. Faz parte do grupo AZComm Comunicação e Eventos.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Últimos artigos