terça-feira, 20 de abril de 2021

Cresce o consenso internacional em relação aos benefícios da ivermectina na prevenção e tratamento da COVID-19

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 1

O consenso internacional está crescendo sobre os benefícios na prevenção e no tratamento precoce de COVID-19 de ivermectina, um conhecido agente antiparasitário de amplo espectro que, embora sua indicação primária por muitos anos tenha sido para uso veterinário, mais tarde recebeu aprovação do FDA para o uso em humanos e na pesquisa clínica está provando fornecer uma redução significativa no risco de contágio e resultados encorajadores no tratamento de pacientes COVID-positivos.

Diferentes estudos mostram uma importante atividade antiviral in vitro contra uma ampla gama de vírus, incluindo o coronavírus SARS-CoV-2, mas novas evidências já em estudos de profilaxia com agentes de saúde e tratamento em pacientes infectados, lançam esperanças em seus potenciais efeitos protetores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 2

Na Argentina, embora a ANMAT não tenha aprovado seu uso nem na prevenção, nem no tratamento da infecção por COVID-19, algumas províncias já o utilizam como política oficial de profilaxia em profissionais de saúde e como tratamento para pacientes infectados pelo coronavírus SARS- CoV-2; outras províncias estão analisando a situação e demonstraram interesse pelo medicamento. Ao mesmo tempo, as farmácias de todo o país estão observando um aumento nas prescrições de ivermectina.

Em relação ao crescimento das evidências científicas a favor do medicamento, uma meta-análise realizada no Reino Unido por um grupo de médicos especialistas em terapia intensiva agrupados na ‘Alliance for Critical Care of COVID-19 on the Frontline’ (FLCCC para sua sigla em Inglês), concluiu que a ivermectina é um medicamento essencial para reduzir a morbidade e mortalidade causadas pela infecção COVID-19 e que dados os resultados alcançados não é mais ético continuar a realizar ensaios comparativos entre ivermectina e placebo, e que aqueles em curso os cursos devem ser fechados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 3

O trabalho, denominado ‘Ivermectina reduz o risco de morte por COVID-19: uma revisão rápida e meta-análise em apoio à recomendação da primeira linha COVID-19. Critical Care Alliance ‘, analisou os resultados de 25 investigações científicas de ivermectina vs. placebo em termos de morte (desfecho primário), melhora ou deterioração da condição, tempo de recuperação, tempo de internação hospitalar, admissão hospitalar (para tratamento ambulatorial), admissão em unidade de terapia intensiva (ou necessidade de ventilação) e efeitos em eventos adversos graves.

Esta revisão e meta-análise, que no total incluiu 2.045 participantes como profilaxia e 1.835 COVID-positivos, confirmou uma redução na mortalidade entre 65 e 92% (dependendo do estágio da doença nos pacientes tratados) e uma diminuição na infecção por COVID-19 entre 82 e 92% quando usado preventivamente em trabalhadores de saúde e seus contatos próximos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 4

Em nosso país, investigação realizada pelos médicos Héctor Carvallo e Roberto Hirsch, e patrocinada pela Panalab, um dos laboratórios produtores de ivermectina, concluiu que o medicamento era um excelente método adjuvante de equipamentos de proteção individual na profilaxia da SARS-CoV- 2 em profissionais de saúde e seus contatos. Recomendar estender seu uso não só a todos os agentes de saúde, mas também a grupos populacionais vulneráveis ​​(institutos geriátricos e psiquiátricos, orfanatos e prisões, entre outros). A pesquisa foi reproduzida na International Platform for Scientific Publications ‘SciVision’ e na prestigiosa revista científica Microbiol Infect Dis.

Com o nome de ‘Ivermectina como profilaxia contra COVID-19. Avaliação retrospectiva dos casos ‘, o trabalho incluiu entre 1º de junho e 15 de dezembro de 2020 a participação de 162 agentes de saúde argentinos que receberam ivermectina (0,2 mg por kg de peso) como profilaxia, indicação que se estendeu aos contatos próximos desses profissionais , tanto no local de trabalho como na esfera privada. A mediana de idade foi de 51,6 anos e a distribuição por sexo foi de 46% homens e 56% mulheres.

Como resultado da pesquisa, embora alguns dos participantes ainda estejam completando o regime terapêutico (8 semanas de tratamento e 16 de manutenção), até o momento, nenhuma infecção por COVID-19 foi registrada em qualquer um dos 162 indivíduos durante o período mencionado acima. começando.

“Esses resultados são particularmente importantes porque a literatura mundial registrada durante esta pandemia refere que um nível de infecção deve ser esperado em não menos que 25% dos agentes de saúde dedicados ao atendimento de áreas infecciosas em geral, e do COVID -19 em particular. Isso implica que, ao longo do acompanhamento de seis meses dos indivíduos incluídos nesta pesquisa, não deveriam ter sido registradas menos de 35-45 infecções, eventos que não ocorreram ”, afirmou Dr. Héctor Carvallo, Endocrinologista, co-autor do trabalho, ex-diretor do Hospital Ezeiza (Hospital Zonal General de Agudos Dr. Alberto A. Eurnekian) e Professor Associado de Medicina da Universidade Interamericana (UAI) e da Universidade de Morón.

“Sem dúvida estamos falando de estudos com pequenos grupos, que visam marcar um caminho inicial e abrir as portas para novas e mais volumosas investigações, mas os resultados são avassaladores e temos o prazer de compartilhar a boa notícia de uma pequena luz no. este difícil caminho que a pandemia está enfrentando ”, disse o Dr. Roberto Hirsch, médico infectologista, chefe do Departamento de Doenças Infecciosas do Hospital Muñiz e também coautor do estudo.

Por sua vez, o Dr. Gastón Charas, diretor médico do laboratório Panalab, disse que “vemos com otimismo medido os bons resultados da pesquisa clínica nacional e internacional sobre ivermectina na profilaxia e tratamento das infecções por COVID-19 e colocamos todos os evidências científicas à disposição do corpo médico e das autoridades sanitárias ”.

Outro trabalho interdisciplinar, também realizado por pesquisadores argentinos, concluiu que a ivermectina reduz a carga viral em pacientes infectados pelo coronavírus SARS-Cov-2. Especificamente, após analisar o desempenho de 45 adultos com COVID-19 nos estágios iniciais (30 receberam ivermectina e 15 placebo), uma eliminação mais rápida e profunda do vírus foi observada quando o tratamento é iniciado nos estágios iniciais da infecção (até 5 dias desde o início dos sintomas).

O estudo foi realizado por um consórcio público-privado formado, entre outros, por representantes do Instituto de Pesquisa em Doenças Tropicais da Universidade Nacional de Salta (IIET, UNSa), do Centro de Pesquisa Veterinária de Tandil (CIVETAN, CONICET- UNCPBA- CICPBA), a Universidade Nacional de Quilmes (UNQ) e a Unidade de Virologia e Epidemiologia Molecular do Hospital Prof. Dr. Juan P. Garrahan ’.

Muitos outros trabalhos têm se preocupado em avaliar os possíveis benefícios da ivermectina, entre outros, um estudo realizado em 2020 por cientistas australianos liderados pelo Dr. León Caly publicado na revista ‘Antiviral Research’ alertou sobre os possíveis efeitos benéficos da ivermectina, demonstrando que inibiu in vitro a replicação do coronavírus SARS-CoV-2 em culturas de células. Um ensaio clínico realizado por médicos espanhóis, cujo pesquisador principal foi a Dra. María Teresa Gómez-Hernández, concluiu que o tratamento com ivermectina pode melhorar o prognóstico de pacientes com COVID-19.

Algumas províncias do nosso país a utilizam como política oficial de prevenção em agentes de saúde e no tratamento de casos positivos de COVID. As farmácias veem um aumento nas vendas do medicamento, que está disponível na Argentina por meio de quatro laboratórios farmacêuticos diferentes.

Paralelamente, a prestigiosa revista brasileira Braz y Infect publicou uma carta ao editor onde um grupo de pesquisadores indianos solicitava que ‘além das certezas e dúvidas a esse respeito, é essencial que os ensaios clínicos realizados com ivermectina incluam pacientes com COVID- 19 para entender se esse medicamento pode oferecer efeitos benéficos em pacientes que já desenvolveram complicações decorrentes da infecção. ‘

E um estudo com 72 pacientes chamado ‘Um curso de 5 dias de tratamento com ivermectina reduz a duração da infecção por COVID-19′, publicado no International Journal of Infections Diseases, concluiu que ’embora a amostra do estudo fosse muito pequena (n = 72) para tirar conclusões firmes, os resultados fornecem evidências do benefício potencial da intervenção precoce com a droga ivermectina para o tratamento de pacientes adultos com diagnóstico de COVID-19 leve. ‘

Outra investigação, desta vez na Flórida, Estados Unidos, denominada ‘Uso de ivermectina está associado a menor mortalidade em pacientes hospitalizados com doença coronavírus 2019’, cujas conclusões foram publicadas no CHEST Journal, demonstrou, ao analisar os resultados observados em 280 pacientes, que ‘A terapia com ivermectina foi associada a uma mortalidade mais baixa durante o tratamento com COVID-19, especialmente em pacientes com comprometimento pulmonar grave’, esclarecendo que ensaios clínicos randomizados são necessários para confirmar esses achados.

Os principais efeitos adversos relatados pelo uso regular de ivermectina, que geralmente são leves e transitórios e desaparecem quando o tratamento é interrompido, são tonturas, perda de apetite, náuseas, vômitos, dor de estômago ou distensão abdominal, diarreia, constipação, fraqueza, sonolência., tremor incontrolável de qualquer parte do corpo e desconforto no peito.

Este artigo foi originalmente publicado no jornal argentino Infobae

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 5
Gazeta Brasil
Gazeta Brasilhttps://www.gazetabrasil.com.br
A Gazeta Brasil é um jornal brasileiro diário editado na cidade de São Paulo. Publica textos, fotos, vídeos no formato digital. Faz parte do grupo AZComm Comunicação e Eventos.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Últimos artigos