sexta-feira, 18 de junho de 2021

Israel ameaça invasão terrestre contra o Hamas na Faixa de Gaza

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 1

AP- Israel disse na quinta-feira (13) que estava reunindo tropas ao longo da fronteira de Gaza e convocando 9.000 reservistas antes de uma possível invasão terrestre do território governado pelo Hamas, enquanto os dois inimigos se aproximavam de uma guerra total. Mediadores egípcios correram para Israel para os esforços de cessar-fogo, mas não mostraram sinais de progresso.

A intensificação da luta ocorreu quando a violência comunal em Israel irrompeu pela quarta noite, com multidões de judeus e árabes se enfrentando na cidade de Lod. A luta ocorreu apesar da presença policial reforçada, ordenada pelos líderes do país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 2

A explosão de violência de quatro dias empurrou Israel para um território desconhecido – lidando com a luta mais intensa que já teve com o Hamas e, ao mesmo tempo, enfrentando a pior violência árabe-judaica dentro de Israel em décadas. Uma barragem noturna de foguetes do Líbano que pousou no mar ameaçou abrir uma nova frente ao longo da fronteira norte de Israel.

Saleh Aruri, um líder exilado do Hamas, disse ao canal de satélite de Londres Al Araby na sexta-feira que seu grupo recusou uma proposta de uma trégua de três horas para permitir mais negociações para um cessar-fogo total. Ele disse que Egito, Catar e as Nações Unidas estão liderando os esforços de trégua.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 3

Também na sexta-feira, os militares israelenses disseram que tropas aéreas e terrestres atacaram Gaza no que parecia ser o ataque mais pesado até agora. Massas de chamas vermelhas iluminaram os céus enquanto as rajadas ensurdecedoras dos arredores da Cidade de Gaza despertavam as pessoas. Os ataques foram tão fortes que gritos de medo puderam ser ouvidos de pessoas dentro da cidade, a vários quilômetros de distância.

“Eu disse que cobraríamos um preço muito alto do Hamas”, disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu em uma declaração gravada em vídeo. “Estamos fazendo isso e continuaremos fazendo isso com muita força.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 4

Os combates começaram na noite de segunda-feira, quando o Hamas, alegando ser o defensor de Jerusalém, disparou uma enxurrada de foguetes de longo alcance contra a cidade em resposta ao que chamou de provocações israelenses. Israel respondeu rapidamente com uma série de ataques aéreos.

Desde então, Israel atacou centenas de alvos em Gaza. Os ataques desencadearam dezenas de explosões de abalar a terra em todo o território densamente povoado. Militantes de Gaza dispararam cerca de 2.000 foguetes contra Israel, paralisando a vida na parte sul do país. Várias barragens atingiram a metrópole litorânea de Tel Aviv, a cerca de 70 quilômetros de distância.

O Ministério da Saúde de Gaza disse que o número de mortos subiu para 109 palestinos, incluindo 28 crianças e 15 mulheres, com 621 feridos. Os grupos militantes Hamas e Jihad Islâmica confirmaram 20 mortes em suas fileiras, embora Israel diga que esse número é muito maior. Sete pessoas foram mortas em Israel, incluindo um menino de 6 anos.

Em Washington, o presidente Joe Biden disse que conversou com Netanyahu sobre acalmar os combates, mas também apoiou o líder israelense dizendo “não houve uma reação exagerada significativa”.

Ele disse que o objetivo agora é “chegar a um ponto em que haja uma redução significativa nos ataques, especialmente ataques de foguetes que são disparados indiscriminadamente contra centros populacionais”. Ele chamou o esforço de “um trabalho em andamento”.

A visita de quinta-feira por autoridades egípcias marcou um passo importante nos esforços de cessar-fogo.

O Egito costuma servir como mediador entre Israel e o Hamas, e tem sido um jogador fundamental para encerrar rodadas anteriores de combates. As autoridades se encontraram primeiro com líderes do Hamas em Gaza antes de conversarem com israelenses em Tel Aviv, disseram dois funcionários da inteligência egípcia. Eles falaram sob condição de anonimato porque não estavam autorizados a falar com a mídia. O líder exilado do Hamas, Ismail Haniyeh, também estava em contato com os egípcios, disse o grupo.

Apesar desses esforços, a luta apenas se intensificou. Aviões israelenses atingiram alvos em Gaza ao longo do dia. E no final da quinta-feira, Israel disparou bombas de tanques e artilharia pela primeira vez, fazendo com que dezenas de residentes aterrorizados fugissem em busca de segurança.

Os ataques aéreos destruíram dezenas de edifícios, incluindo três arranha-céus. Israel disse que os prédios abrigavam militantes ou instalações do Hamas, mas civis também estavam lá dentro.

No norte da Faixa de Gaza, Rafat Tanani, sua esposa grávida e quatro filhos foram mortos depois que um avião de guerra israelense reduziu o prédio a escombros, disseram moradores.

Sadallah Tanani, um parente, disse que a família foi “eliminada do registro da população” sem aviso prévio. “Foi um massacre. Meus sentimentos são indescritíveis”, disse ele.

Israel tem sofrido fortes críticas internacionais pelas baixas de civis nos combates em Gaza. O relatório afirma que o Hamas é responsável por colocar civis em perigo, escondendo e lançando foguetes de áreas civis.

No final da quinta-feira, o ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, ordenou a mobilização de mais 9.000 reservistas.

O principal porta-voz militar, Brig. O general Hidai Zilberman disse que as tropas estavam se concentrando ao longo da fronteira de Gaza para uma possível operação terrestre. Ele disse que tanques, veículos blindados e artilharia estavam sendo preparados “para a mobilização a qualquer momento”.

O Hamas não deu sinais de recuar. Ele lançou várias barragens intensas de foguetes ao longo do dia e disparou seu foguete mais poderoso, o Ayyash, a quase 200 quilômetros (120 milhas) no sul de Israel. O foguete pousou no deserto aberto, mas interrompeu brevemente o tráfego de voos no aeroporto de Ramon ao sul. O Hamas também lançou um drone que Israel disse ter derrubado rapidamente.

O porta-voz militar do Hamas, Abu Obeida, disse que o grupo não temia uma invasão terrestre, dizendo que qualquer invasão seria uma chance de “aumentar nossa captura” de soldados mortos ou cativos.

A luta lançou uma nuvem sobre o feriado muçulmano de Eid al-Fitr, normalmente marcado por reuniões familiares e refeições festivas. Em vez disso, as ruas de Gaza estavam quase vazias.

Hassan Abu Shaaban tentou aliviar o clima distribuindo doces para os transeuntes, mas reconheceu que “não há atmosfera” para comemorar. “São apenas ataques aéreos, destruição e devastação”, disse ele. “Que Deus ajude a todos.”

A atual erupção de violência começou há um mês em Jerusalém, onde táticas violentas da polícia israelense durante o Ramadã e a ameaça de despejo de dezenas de famílias palestinas por colonos judeus geraram protestos e confrontos com a polícia. Um ponto focal dos confrontos foi a Mesquita Al-Aqsa de Jerusalém, construída no topo de uma colina que é reverenciada por judeus e muçulmanos.

Israel considera Jerusalém em sua totalidade como sua capital, enquanto os palestinos querem que Jerusalém Oriental seja a capital de seu futuro estado.

Os violentos confrontos entre árabes e judeus em Israel resultaram em cenas não testemunhadas em mais de duas décadas.

Os confrontos irromperam novamente na quinta-feira. Multidões de judeus e árabes lutaram na cidade central de Lod, o epicentro dos problemas, pela quarta noite consecutiva, apesar do estado de emergência e da forte presença policial. Um judeu foi baleado e gravemente ferido, e a mídia israelense disse que um segundo judeu foi baleado.

No bairro de Jaffa, em Tel Aviv, um soldado israelense foi atacado por um grupo de árabes e hospitalizado em estado grave.

Os combates agravaram uma crise política que fez com que Israel passasse por quatro eleições inconclusivas em apenas dois anos. Após as eleições de março, Netanyahu não conseguiu formar uma coalizão governamental. Agora, seus rivais políticos têm três semanas para tentar fazê-lo.

Esses esforços foram muito complicados pela luta. Seus oponentes incluem uma ampla gama de partidos que têm pouco em comum. Eles precisariam do apoio de um partido árabe, cujo líder disse que não pode negociar enquanto Israel estiver lutando em Gaza.

Naftali Bennett, líder de um pequeno partido de direita, foi citado como tendo dito que não acreditava que uma coalizão alternativa pudesse ser formada na atmosfera atual.

O líder da oposição Yair Lapid, que está liderando os esforços de construção da coalizão, disse que o país enfrenta uma “ameaça existencial” e pediu a Bennett que se junte a ele para ajudar a resgatar o país.

“Estamos à beira do abismo”, disse ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 5
Gazeta Brasil
Gazeta Brasilhttps://www.gazetabrasil.com.br
A Gazeta Brasil é um jornal brasileiro diário editado na cidade de São Paulo. Publica textos, fotos, vídeos no formato digital. Faz parte do grupo AZComm Comunicação e Eventos.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Últimos artigos